Brendan Smialowski/AFP
Brendan Smialowski/AFP

EUA se preparam para proibir viajantes do Brasil, diz assessor de Trump

Consultor de segurança nacional afirmou que decisão tem como objetivo 'proteger o povo americano' e espera que seja temporária

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2020 | 15h25
Atualizado 24 de maio de 2020 | 16h23

WASHINGTON - Os Estados Unidos estão se preparando para anunciar uma proibição da entrada de viajantes que chegam do Brasil, um dos países mais atingidos pela pandemia de coronavírus, afirmou, neste domingo, 24, um assessor do presidente Donald Trump

"Acredito que hoje teremos uma nova decisão em relação ao Brasil, como fizemos com o Reino Unido, Europa e China, e esperamos que seja temporária", disse Robert O'Brien, consultor de segurança nacional dos Estados Unidos, em entrevista à CBS.

"Devido à situação no Brasil, vamos tomar todas as medidas necessárias para proteger o povo americano", acrescentou. Os Estados Unidos interromperam as viagens a partir da China, Europa e Grã-Bretanha à medida que o vírus se espalhava nessas áreas.

O Estadão noticiou na sexta o planejamento deste anúncio, que já vinha sendo discutido dentro do governo nas últimas semanas. Trump tem evitado críticas ao presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, de quem é um aliado, mas o aumento de casos de coronavírus no Brasil tem sido apontado como um problema pelo americano.  

Nesta semana, a possibilidade de limitar a entrada de brasileiros foi mencionada pela primeira vez pelo vice-presidente, Mike Pence, que é também chefe da Força Tarefa da Casa Branca para combate ao coronavírus.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a América do Sul se tornou o último epicentro da covid-19, e o Brasil é o segundo país mais afetado do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos em número de casos. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.