EUA: senadores chegam a acordo sobre lei de imigração

Os líderes do senado dos Estados Unidos chegaram a um acordo nesta quinta-feira para que a nova lei de imigração americana possa dar a chance para que parte significativa dos milhões de ilegais que vivem no país possam ter a chance de se tornar cidadãos americanos. A idéia é aprovar o ato antes do Dia da Memória, comemorado anualmente na última segunda-feira de maio. O acordo, proposto pelos líderes da maioria e minoria no Senado, deve por fim ao impasse político que nas últimas semanas levou milhares de imigrantes a pressionarem o Congrsso através de protestos e boicotes.O ponto mais importante do acordo é a negociação com a Câmara dos Representantes (equivalente a deputados), que em dezembro aprovou um projeto de lei que propunha a criminalização e deportação dos mais de 11 milhões de ilegais que vivem no país hoje. Uma vez aprovada, a lei terá que ser sancionada pelo presidente George W. Bush.Segundo o líder da maioria, Bill Frist, o Senado enviará 14 republicanos e 12 democratas para negociar com a Casa. Sete dos republicanos e cinco dos democratas serão membros do Comitê Judiciário, instância do Senado responsável por analisar a constitucionalidade das leis.Frist disse também que um número "considerável" de emendas serão debatidas durante as negociações no Senado, que acontecerão na próxima semana.O líder da minoria, Harry Reid, explicou ao Senado que ele "não conseguiu tudo o que eu queria" no acordo, mas disse Frist também teve parte de suas ambições frustradas. O democrata foi muito criticado ao recusar as negociações por considerar que os republicanos vinham tentando minar o acordo com emendas. Mas os republicanos também encontraram dificuldades para chegar a um acordo devido a resistência dos quadros mais conservadores do partido, que consideram que a legalização de parte dos imigrantes, assim como a concessão de milhares de licenças de trabalho temporário, seriam entendidos como uma espécie de "anistia".As corridas presidencial e legislativa também influenciaram o contexto do debate. Frist e o senador John McCain - um dos arquitetos da proposta de legalização - são fortes pré-candidatos presidências para o pleito de 2008.Bush também ajudou a acelerar a costura do acordo após encontrar-se com um grupo bipartidário de senadores no mês passado. O presidente afirmou publicamente ser favorável a uma lei que permita aos imigrantes ilegais pleitearem a cidadania.Caso seja aprovado, o novo ato será a mais abrangente reformulação das leis de imigração americanas em 20 anos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.