EUA só dialogarão com a Síria após saída de grupos radicais

Na primeira entrevista a um jornal árabe desde que está no poder, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse que não manterá diálogo com a Síria enquanto o país não parar de dar apoio a grupos radicais palestinos e islâmicos. Bush disse ao Asharq al-Awsat, editado em Londres, que o governo sírio tem de tomar firmes medidas para impedir a passagem de extremistas e armas para o Iraque.Em Washington, o Congresso dos EUA enviou hoje à Casa Branca um pacote de sanções econômicas e diplomáticas contra a Síria, acusada pelo país de dar apoio a grupos "terroristas". As medidas foram aprovadas na quinta-feira à noite pela Câmara dos Representantes, dias depois do endosso do Senado. A previsão é que o presidente George W. Bush sancione a legislação. Analistas políticos dizem que o impacto será simbólico, já que os negócios entre os dois países são poucos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.