EUA suspendem construção do muro que dividiria Bagdá

Os Estados Unidos suspenderam nesta segunda-feira, 23, a construção de um muro que rodearia o bairro sunita al-Adamiya, no norte de Bagdá, em resposta ao pedido de paralização feito no domingo pelo primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki."A construção do muro está sob revisão", segundo um pronunciamento militar americano."Precisamos proteger as pessoas no Iraque", diz o pronunciamento. "Como isso será feito é sempre discutido e continuaremo dialogando. Nós entramos num acordo com o governo do Iraque para estabelecer medidas de seguraça apropriadas e eficazes".O muro visa delimitar a zona sunita dos bairros adjacentes xiitas, para conter a violência sectária. A construção foi anunciada pelos EUA no sábado e foi criticada por líderes políticos iraquianos, que argumentaram que ela aumentaria as tensões. Os EUA alegam ter o aval do governo do Iraque para a construção."Sou contra a construção do muro e ela vai parar. Mas seu maior propósito não é isolar, é uma operação pra proteger", disse al-Maliki durante uma entrevista coletiva no Cairo.O premier continuou dizendo que "temo que o muro possa ter repercussões, que nos lembrem de outros muros que rejeitamos", em uma clara referência ao muro que Israel construiu na Cisjordânia e ao muro de Berlim.O embaixador americano, Ryan Crocker, disse nesta segunda-feira que os EUA vão "respeitar os desejos" do governo iraquiano após al-Maliki ter pedido a suspensão do muro de 5 quilômetros de extensão e 3,6 de altura.Al-Maliki se pronunciou após uma série de manifestações de líderes políticos sunitas no último final de semana. As manifestações continuaram nesta segunda-feira, com centenas de pessoas participando de uma passeata no norte de Bagdá para reivindicar a retirada dos blocos de concreto de Adhamiya.Autoridades afirmam que ao menos 46 pessoas morreram e mais de 100 ficaram feridas em ataques suicidas com carros-bomba no Iraque nesta segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.