REUTERS/Gonzalo Fuentes
REUTERS/Gonzalo Fuentes

EUA suspendem proibição polêmica a laptops em voos do Oriente Médio

Aeroporto Internacional King Khalid, de Riad, foi o último dos 10 aeroportos a ficarem livres da proibição

O Estado de S.Paulo

20 Julho 2017 | 12h53

WASHINGTON - Os Estados Unidos encerraram uma proibição de quatro meses ao transporte de laptops por passageiros a bordo de voos de certos aeroportos no Oriente Médio e norte da África, acabando com uma das polêmicas restrições em viagens impostas pela governo do presidente Donald Trump.

O Aeroporto Internacional King Khalid, de Riad, foi o último dos 10 aeroportos a ficarem livres da proibição, informou o Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS) em uma publicação no Twitter na noite de quarta-feira.

As operadoras do Oriente Médio culparam as restrições de viagem de Trump, que incluem proibir os cidadãos de alguns países da maioria muçulmana de visitar os Estados Unidos, por uma desaceleração da demanda nas rotas dos EUA. 

Em março, os Estados Unidos proibiram eletroeletrônicos grandes em cabines em voos de 10 aeroportos no Oriente Médio e África do Norte por preocupações de que explosivos pudessem ser escondidos nos dispositivos embarcados nas aeronaves. 

A proibição foi suspensa nas nove companhias aéreas afetadas - Emirates EMIRA.UL, Etihad Airways, Qatar Airways, Turkish Airlines (THYAO.IS), Saudi Arabian Airlines, Royal Jordanian RJAL.AM, Kuwait Airways KA.UL, EgyptAir EGY.UL e Royal Air Maroc RAM.UL - que são as únicas operadoras a voar direto da região para os Estados Unidos.

A proibição de viagem a cidadãos de seis países de maioria muçulmana - Irã, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen-- permanece em vigor, embora tenha sido limitada depois de várias decisões judiciais.

"A indústria da aviação tem tentado se unir com uma mensagem conjunta aos governos e às partes interessadas sobre a regulamentação e o apoio à indústria", disse Will Horton, analista sênior da consultoria de aviação australiana CAPA. / REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.