EUA têm de apoiar reformas no mundo muçulmano, diz diretor da CIA

O diretor da CIA, George Tenet, afirmou que os Estados Unidos precisam se aproximar do mundo muçulmano se quiserem vencer a guerra contra o terrorismo. Tenet disse ser "estrategicamente imperativo" apoiar a democracia e as reformas entre as nações muçulmanas. Caso contrário, afirmou, as nações árabes e muçulmanas ficarão vulneráveis à Al-Qaeda e a outros grupos terroristas. "Não estamos em guerra com o Islã", afirmou Tenet, ontem, num jantar oferecido pelo Centro Nixon, no qual recebeu da entidade o prêmio em reconhecimento por seus serviços. Apenas uma pequena parte de um pequeno grupo de muçulmanos radicais estão envolvidos no terrorismo contra os EUA, disse o diretor da CIA, e eles estão perdendo terreno depois das cerca de 3 mil prisões de membros da Al-Qaeda, em mais de 140 países, desde os ataques de 11 de setembro a Washington e Nova York. Tenet elogiou a Jordânia, o Egito e a Arábia Saudita por intensificarem seu apoio aos EUA na luta contra o terror.

Agencia Estado,

12 Dezembro 2002 | 15h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.