EUA temem que Líbia se transforme 'numa grande Somália', diz Hillary

'Muitos ativistas da Al-Qaeda no Iraque e no Afeganistão vieram da área que agora está libertada', afirma

estadão.com.br,

02 Março 2011 | 16h06

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, alertou nesta quarta-feira, 2, para o risco da Líbia se tornar um país caótico como a Somália, onde grupos terroristas como a Al-Qaeda teriam liberdade para atuar.

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos do enviado do Estado

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda  

"Uma das nossas maiores preocupações é a Líbia afundar no caos e se tornar uma grande Somália. Não é algo que vemos acontecendo agora, mas muitos ativistas da Al-Qaeda no Iraque e no Afeganistão vieram do leste da Líbia, a área que agora está libertada", disse Hillary em uma sessão no Congresso americano.

A chefe da diplomacia americana disse ainda aos parlamentares que dificilmente haverá uma decisão rápida sobre a zona de exclusão aérea sobre a Líbia. "Acredito que estamos longe de uma decisão sobre isso" disse Hillary, que ressaltou que as forças armadas americanas podem facilitar o transporte de equipamentos e suprimentos para os rebeldes.

Mais cedo, dois navios de assalto anfíbio dos EUA, o USS Kearsarge e o USS Ponce, entraram no canal de Suez, no Egito, a caminho da costa da Líbia. Os Estados Unidos anunciaram na segunda-feira a mobilização de navios e aviões para mais perto do país magrebino.

A mobilização militar, no entanto, é vista como uma demonstração simbólica de força, uma vez que nem os Estados Unidos nem seus aliados da Otan se mostram dispostos a uma intervenção militar direta.

Leia ainda:

linkKadafi convida Brasil para ser observador da crise na Líbia

linkIntervenção estrangeira deixará milhares de mortos, diz Kadafi

linkRumo à Líbia, 2 navios dos EUA passam pelo canal de Suez

 

Com Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.