EUA tentam libertar americano preso na Coreia do Norte

Funcionários do Departamento de Estado dos Estados Unidos fizeram uma visita secreta à Coreia do Norte na semana passada, numa tentativa de libertar o prisioneiro americano Aijaloin Mahli Gomes, afirmou hoje o porta-voz Philip Crowley. Segundo ele, um oficial consular dos EUA, dois médicos e um tradutor estiveram em Pyongyang entre 9 e 11 de agosto e visitaram Gomes, que já tentou até o suicídio, em um hospital. Crowley disse que eles não conseguiram libertá-lo, mas obtiveram alguns detalhes sobre a situação dele.

AE-AP, Agência Estado

16 de agosto de 2010 | 18h43

Gomes ensinava inglês na Coreia do Sul antes da sua prisão em 25 de janeiro na Coreia do Norte. A motivação do americano em ir para a Coreia do Norte não é clara, mas ele participou de comícios em Seul em apoio a Robert Park, que frequentava a mesma igreja cristã. Park, deliberadamente, cruzou a fronteira com a Coreia do Norte, a partir da China, para chamar a atenção sobre a situação dos direitos humanos na Coreia do Norte. Park foi expulso da Coreia do Norte após ficar 40 dias detido.

Crowley disse que o governo americano insistirá na libertação de Gomes. No mês passado, a agência de notícias oficial da Coreia do Norte disse que Gomes tentou cometer suicídio por causa "da sua consciência muito pesada" e da sensação de desespero de que o governo dos EUA poderia não tentar libertá-lo. "Nós pedimos permissão para levar Gomes de volta e é óbvio que a permissão não foi dada", disse Crowley, referindo-se à missão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.