EUA tentarão processar Assange por conspiração

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos pretende processar o australiano Julian Assange, fundador e responsável pelo site WikiLeaks, por conspiração. Procuradores investigam a hipótese de Assange ter estimulado o soldado americano Bradley Manning a entregar-lhe os documentos militares secretos sobre a Guerra do Afeganistão, em julho, e os arquivos confidenciais do Departamento de Estado.

AE, Agência Estado

17 de dezembro de 2010 | 08h02

Essa versão teria como base um depoimento de Manning e as mensagens trocadas por ele com o ex-hacker Adrian Lamo, hoje em poder do FBI. Em princípio, Assange poderá ser processado por conspiração com base na Lei de Espionagem, de 1917, e também responder por violação da Lei de Fraude e Abuso em Informática, de 1986. Se a operação for bem-sucedida, os EUA poderão pedir sua extradição à Grã-Bretanha, onde a Justiça libertou ontem o fundador do WikiLeaks sob fiança. Assange ficará sob liberdade vigiada enquanto a Justiça britânica avalia um pedido de extradição da Suécia, onde ele é acusado de ter abusado sexualmente de duas mulheres.

Segundo o jornal The New York Times, o esforço do Departamento de Justiça será provar que Assange não foi apenas um receptor passivo da documentação vazada pelo site. Um dos materiais em poder dos procuradores traz a transcrição de uma conversa online de Manning, na qual ele teria afirmado manter comunicação direta com Assange por meio de um serviço de conferência criptografado. Manning teria declarado ainda contar com acesso ao servidor do WikiLeaks para despachar os arquivos com a documentação do Pentágono e da diplomacia americana.

Até o momento, Manning é o principal suspeito dos quatro vazamentos de material secreto do governo americano. Mas, no caso da liberação dos 92 mil documentos sobre a Guerra do Afeganistão, em julho, o Pentágono acredita haver outros envolvidos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.