EUA testaram armas químicas em seus soldados

Os Estados Unidos testaram as mais terríveis armas químicas e biológicas em seus próprios soldados durante a Guerra Fria, admitiu nesta quarta-feira o Pentágono ao tornar públicos documentos até hoje secretos. Os testes foram realizados nos anos 60 no âmbito de exercícios militares em território americano, britânico e canadense, segundo os documentos.Os relatórios descrevem testes realizados entre 1962 e 1971, com o objetivo de determinar a vulnerabilidade das tropas às armas biológicas e químicas, entre elas o gás sarin e o Vx, um gás mortal. Em maio passado, o Pentágono havia admitido que submeteu, sempre nos anos 60, centenas de fuzileiros a substâncias deste tipo para estudar suas conseqüências, mas os documentos desclassificados nesta quarta-feira constituem uma admissão de que o programa foi mais vasto.Os documentos revelam, pela primeira vez, que armas químicas foram testadas no Alasca, no Havaí e em Maryland, enquanto armas biológicas mais suaves foram utilizadas na Flórida. Ao entrar em detalhes, os documentos mostram que nas provas realizadas no Canadá, em colaboração com o governo de Ottawa, foi utilizado o gás Vx, enquanto na Grã-Bretanha a arma utilizada foi o gás sarin.Este último, utilizado em 1995 em um atentado no metrô de Tóquio, provocou de imediato a aparição de sintomas como dificuldades respiratórias, náuseas, convulsões, perda de equilíbrio e até mesmo a morte.Por sua vez, o Vx, um líquido oleoso, inodoro e insípido, é uma das substâncias mais letais produzidas pelo homem: o contado com a pele, ou sua inalação, provoca a morte em até 15 minutos. As investigações e análises dos documentos foram feitas depois da denúncia de problemas de saúde por parte de muitos ex-militares.Segundo as secretarias da Defesa e dos Assuntos dos Veteranos, cerca de 5 mil soldados teriam participado das experiências. A liberação dos documentos coincide com as crescentes tensões internacionais provocadas pela ameaça dos Estados Unidos de invadir o Iraque para eliminar as armas de destruição em massa supostamente em mãos de Saddam Hussein.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.