AP
AP

EUA usam armas informáticas para combater o Estado Islâmico

Chefe de Estado-Maior das forças conjuntas comparou sitiar os jihadistas em Mossul e Raqqa com sitiá-los no ciberespaço

O Estado de S. Paulo

01 de março de 2016 | 15h43

DAMASCO - Os EUA usam armas informáticas em sua guerra contra o grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria, informou na segunda-feira o secretário de Defesa americano, Ashton Carter.

"Usamos ferramentas informáticas para enfraquecer a capacidade do grupo Estado Islâmico de operar e se comunicar no campo de batalha virtual", afirmou Carter em uma coletiva de imprensa no Pentágono.

"Trata-se de fazer com que eles percam a confiança em suas redes, de sobrecarregá-las para que não possam funcionar, e fazer tudo aquilo que perturbe sua capacidade para comandar suas forças, e para controlar a população e a economia", explicou o secretário.

Na mesma coletiva, o chefe do Estado-Maior das forças conjuntas, o general Joe Dunford, comparou sitiar no terreno os membros do EI em seus redutos em Mossul (Iraque) e Raqqa (Síria), com sitiá-los no ciberespaço. "Estamos tentando tanto física como virtualmente isolar o Estado Islâmico", disse Dunford. Mas as duas autoridades se negaram a detalhar estas ciber-operações.

"Não queremos" que os membros do EI "sejam capazes de notar a diferença" entre as perturbações vinculadas às ciber-armas americanas e outras perturbações, explicou o general.

Os EUA estão constituindo uma força com cerca de 6 mil soldados especializados em guerra informática, sob o comando atualmente do almirante Michael Rogers, diretor da poderosa Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) e chefe do Comando Cibernético do Pentágono.

No momento, o Pentágono foi muito discreto sobre as operações desta força. Mas a administração prevê aumentar em 15% os fundos para a guerra informática no orçamento de defesa de 2017, em 6,7 bilhões de dólares, pouco mais do 1% do orçamento total do setor. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.