EUA usam Uruguai e Argentina para protestar contra Cuba na ONU

Apesar de não fazerem parte da Comissão de Direitos Humanos da ONU, os Estados Unidos conseguem que seus interesses sejam representados por seus "aliados". Hoje, um grupo formado por Uruguai e a Argentina apresentou uma proposta de resolução na ONU contra o regime de Cuba, provocando uma crise política entre os países latino-americanos. O Brasil se absteve.Essa é a primeira sessão da história da Comissão de Direitos Humanos a não contar com os Estados Unidos, que foram excluídos pelos demais países da ONU no ano passado por votação.Sem poder de propor resoluções, a solução da Casa Branca foi encontrar porta-vozes que pudessem apresentar suas propostas. Depois de consultar uma série de governos da região, os Estados Unidos conseguiram convencer o governo de Montevidéu a patrocinar uma resolução contra Cuba. Além dos uruguaios e dos argentinos, os governos do Peru, Guatemala, Honduras, Canadá e Nicarágua também apoiaram a idéia."O que esses países latino-americanos estão fazendo é uma traição, pois estão defendendo os interesses dos norte-americanos em continuar a política de genocídio contra Cuba", afirmou o embaixador de Cuba na ONU, Ivan Mora. Outros diplomatas latino-americanos classificaram a iniciativa de "escandalosa" e "vergonhosa". Mas na avaliação de diplomatas de Montevidéu, a resolução apenas pede que o governo cubano realize "esforços para obter avanços nos campos dos direitos humanos, civis e políticos".Além disso, a proposta inclui o envio de uma missão para investigar as violações aos direitos humanos por parte do governo de Fidel Castro. Assim que a proposta foi apresentada, Brasil e Chile se manifestaram contrários à idéia e se recusam a apoia-la. "Nossa oposição é de abstenção", disse à Agência Estado o embaixador do Brasil na ONU, Luis Felipe Seixas Correa.O embaixador cubano, Ivan Mora, lembra que "o Brasil sempre teve uma posição digna em relação à Cuba e prova isso ao não se somar ao grupo que apresenta a resolução". Originalmente, a proposta contra Cuba deveria ter sido apresentada pelo Peru, país visitado pelo presidente norte-americano George W. Bush há menos de um mês. Mas hoje, o congresso peruano votou uma resolução impedindo que o presidente Alejandro Toledo seguisse adiante com a idéia. A solução foi passar a autoria da resolução para os uruguaios, que foram apoiados pela Argentina.Diante da oposição de Brasil e Chile, os países latino-americanos chegaram a organizar um reunião e não convidaram diplomatas brasileiros e chilenos. Nesta quinta-feira, a resolução começa a ser debatida. Mas o embaixador de Cuba adverte: "vamos responder à iniciativa desse grupo". A idéia de Cuba é propor uma resolução condenando a violações aos direitos humanos nesses países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.