EUA usarão aviões não-tripulados em ataques na Líbia

Aeronaves são usadas no Afeganistão; EUA esperam que elas deem mais precisão aos ataques.

Alessandra Corrêa, BBC

21 de abril de 2011 | 18h09

O secretário de Defesa americano, Robert Gates, disse nesta quinta-feira que os Estados Unidos vão começar a usar aviões não-tripulados na Líbia.

Segundo Gates, a autorização para o uso dos aviões Predator já foi dada pelo presidente Barack Obama.

Os aviões serão usados em ações que terão como alvo as forças leais ao líder líbio, Muamar Khadafi.

"O presidente disse que, onde temos algumas capacidades únicas, ele está disposto a usá-las", disse Gates, em entrevista à imprensa.

"E na verdade ele aprovou o uso de aviões Predator armados, e eu acho que hoje será a sua primeira missão", afirmou.

Contribuição

Aviões não-tripulados são usados pelos Estados Unidos na fronteira do Afeganistão com o Paquistão.

O secretário de Defesa disse que a decisão de usar os aviões na Líbia se deve "à situação humanitária" no país e dará "precisão" às ações americanas.

Segundo Gates, o envio dos aviões à Líbia representa uma "modesta contribuição" dos Estados Unidos aos esforços da comunidade internacional.

Os Estados Unidos participam dos esforços coordenados pela Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), em apoio aos rebeldes que lutam contra Khadafi.

A ação militar na Líbia foi autorizada no mês passado por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, com o objetivo de proteger os civis de ataques das forças leais a Khadafi.

Os rebeldes controlam parte do leste do país, mas as forças de Khadafi dominam boa parte do oeste e a capital, Trípoli.

Nesta quinta-feira, os rebeldes assumiram o controle de um posto na fronteira com a Tunísia, em uma ação considerada um raro avanço contra as tropas leais Khadafi no oeste do país.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.