EUA vão à ONU para legitimar domínio sobre o Iraque

Representantes de Estados Unidos, Grã-Bretanha e Espanha apresentaram no Conselho de Segurança da ONU uma proposta de resolução pela qual a entidade internacional legitimaria a ocupação estrangeira do Iraque e endossaria o controle do petróleo, dos recursos financeiros e do desenvolvimento político do país pelas forças anglo-americanas por um prazo de, pelo menos, um ano.A proposta, de oito páginas, pede o fim das sanções econômicas impostas pela ONU ao Iraque depois da invasão do Kuwait pelo regime de Saddam Hussein, em 1990, e a eliminação gradual do programa de "petróleo por comida", pelo qual as Nações Unidas têm controlado as exportações de petróleo e as importações do Iraque.O projeto de resolução prevê um papel limitado para a ONU na reconstrução do país. As Nações Unidas funcionariam apenas como conselheiras das forças de ocupação.O plano dos EUA também prevê que o mandato de um ano para que o Iraque fique sob ocupação das forças anglo-americanas seja renovado automaticamente, a não ser que o Conselho de Segurança decida encerrá-lo.Porém, como EUA e Grã-Bretanha têm poder de veto, eles poderiam bloquear qualquer tentativa de outros países de fazê-los sair do Iraque. Com a apresentação desta proposta, os governos americano e britânico, que antes falavam sobre a "libertação do Iraque", referiram-se pela primeira vez ao termo "ocupação" para definir o papel de suas forças militares no país.RepercussãoOs representantes de Angola e do Chile no Conselho de Segurança elogiaram a proposta. Os da França e da Rússia, porém, disseram que querem mais tempo para estudar o plano antes de fazer comentários.França e Rússia apresentaram propostas diferentes à ONU. A proposta russa pede a volta dos inspetores de armamentos da ONU ao Iraque para certificar que não existem mais armas de destruição em massa no país antes que as sanções econômicas sejam suspensas. É o que determinam as resoluções do Conselho de Segurança em vigor.A Rússia também propõe que o programa de "petróleo por comida" seja mantido até que o Iraque tenha um governo legítimo e as sanções sejam suspensas.A proposta francesa prevê o fim das sanções econômicas, a eliminação gradual do programa de "petróleo por comida" e a volta dos inspetores de armas da ONU, que trabalhariam junto com inspetores norte-americanos.A proposta apresentada pelos EUA, porém, não faz nenhuma menção aos inspetores de armas da ONU. O embaixador norte-americano junto à ONU, John Negroponte, disse que os EUA estão fazendo suas próprias buscas e que os inspetores da ONU não voltarão ao Iraque "no futuro próximo".Especialistas dos 15 membros do CS da ONU se reunirão na segunda-feira para definir as implicações jurídicas do projeto americano de resolução e esclarecer dúvidas. As discusões no conselho devem começar dois dias depois.Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.