EUA vão acusar a China de interceptar aviões

Uma delegação do Pentágono vai acusar a China, na próxima semana, de interceptar e seguir agressiva e perigosamente os aviões de reconhecimento norte-americano, no que parece ser um novo enfrentamento diplomático entre Pequim e Washington.Em conversações previstas para começar na capital chinesa na próxima quarta-feira, o governo do presidente George Bush insistirá em que o tipo de reconhecimento realizado pelo avião estadunidense que fez um pouso de emergência em uma base chinesa no dia 1º de abril é também realizado em vários países asiáticos, inclusive a China, disse um alto funcionário do governo dos EUA.Mas os vôos norte-americanos têm sido interceptados por jatos chineses que chegam a um metro dos aviões de reconhecimento, o que deu lugar a queixas do Departamento de Estado a Pequim entre dezembro e janeiro. ?Creio que os chineses nos devem uma explicação?, disse o subsecretário de Estado Richard L. Armitage ao analisar em uma coletiva os preparativos da reunião com a China.Por seu lado, o secretário de Defesa, Donald Rumsfeld, disse nesta sexta-feira que o avião espião norte-americano voava com estabilidade e curso firme até que recebeu investidas de um caça chinês que ?fazia manobras agressivas? no espaço aéreo do mar meridional da China.Acrescentou que os pilotos de Pequim haviam estado fustigando há meses os aviões norte-americanos. Em seus primeiros comentários públicos, Rumsfeld defendeu a tripulação norte-americana e contradisse a versão chinesa do incidente.O funcionário insistiu em que os vôos de reconhecimento continuariam apesar das objeções de Pequim. ?Precisamos fazê-lo para garantir a segurança de nossas forças e em benefício de nossos amigos e aliados na região?, disse numa coletiva convocada pelo Pentágono.As negociações da próxima semana entre funcionários norte-americanos e chineses para recuperar o avião estadunidense se afiguram difíceis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.