EUA vão destinar US$ 150 milhões para ajudar transição no Egito, diz Hillary

Segundo a secretária de Estado, verba pretende ajudar na transição e na recuperação econômica do país.

Alessandra Corrêa, BBC

17 de fevereiro de 2011 | 22h57

Os Estados Unidos vão destinar US$ 150 milhões (cerca de R$ 249 milhões) ao Egito para ajudar na transição democrática e na recuperação econômica, disse nesta quinta-feira a secretária de Estado americana, Hillary Clinton.

"Está claro que há muito trabalho à frente para garantir uma transição ordenada e democrática. Também está claro que o Egito vai enfrentar desafios econômicos imediatos e de longo prazo", disse a secretária, em Washington.

"Nós iremos reprogramar US$ 150 milhões para o Egito, para nos colocarmos em uma posição de apoiar a transição e ajudar com a recuperação econômica", disse a secretária, em Washington. 

 

Veja também:  

linkApós protestos, grupo pede trégua na Líbia

linkIrã envia navios de guerra ao Canal de Suez

linkExército é novo alvo de protestos no Egito

linkO ‘guru’ dos manifestantes egípcios

linkCaos cancela GP2 Ásia no Bahrein e preocupa F1

linkRadar Global: siga os protestos no mundo islâmico

linkCHACRA: Bahrein deve ter guerra civil

linkAs novas lideranças do mundo árabe

Segundo Hillary, representantes do Departamento de Estado e da Casa Branca deverão viajar ao Egito na próxima semana para discutir como os Estados Unidos podem fornecer assistência.

Prisões

O Egito enfrenta um momento de transição, depois que o presidente Hosni Mubarak foi forçado a renunciar na semana passada, após 18 dias consecutivos de protestos populares exigindo reformas.

O comando do país está a cargo de um conselho militar, que dissolveu o Parlamento, nomeou uma comissão para propor mudanças na Constituição e prometeu entregar o poder a um governo eleito no prazo de seis meses.

Ainda nesta quinta-feira, autoridades egípcias prenderam três ex-ministros acusados de corrupção, incluindo o ex-ministro do Interior Habib el-Adly.

Além dele, foram detidos por um mínimo de 15 dias os ex-ministros da Habitação (Ahmed Maghrabi) e do Turismo (Zuheir Garana). Os três negam as acusações.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
oriente médioestados unidosegito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.