Andrius Sytas/Reuters
Andrius Sytas/Reuters

EUA vão impor sanções a Belarus após pouso forçado e prisão de jornalista

Casa Branca informou que está elaborando com a União Europeia uma lista de sanções direcionadas a membros-chave do regime de Lukashenko

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2021 | 22h22

WASHINGTON - Os Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira, 28, que irão impor uma série de sanções contra Belarus, após o desvio de um voo da Ryanair no último domingo e a prisão de um opositor político em Minsk.

"Apelamos (ao presidente da Belarus, Alexander) a Lukashenko para permitir uma investigação internacional confiável sobre os eventos de 23 de maio", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em um comunicado, referindo-se ao dia em que o jato de passageiros foi forçado a pousar em Minsk.

"O desvio forçado pela Belarus, sob falsos pretextos, de um voo comercial da Ryanair que circulava entre dois Estados membros da União Europeia e a prisão do jornalista Roman Protasevich constituem um desafio direto aos padrões internacionais."

Além das medidas já anunciadas nas últimas semanas, a Casa Branca informou que está elaborando com a União Europeia uma lista de sanções direcionadas a membros-chave do regime de Lukashenko.

Depois de deixar Atenas, na Grécia, o avião da Ryanair seguiu para a Lituânia e, quando se aproximava do Aeroporto de Vilna (capital lituânia), ainda em espaço aéreo belarusso, foi orientado a desviar para Minsk em virtude de uma suposta ameaça de bomba. A aeronave foi escoltada por caças MIG-29 da Força Aérea. Nada foi encontrado a bordo. O jornalista opositor belarusso Roman Protasevich acabou detido em Minsk

Sanções econômicas contra nove empresas estatais belarussas, impostas novamente em abril, após a repressão aos manifestantes pró-democracia, entrarão em vigor em 3 de junho. Após as disputadas eleições de 2006, Washington proibiu todas as transações com essas empresas.

Posteriormente, o Tesouro dos EUA suspendeu essas sanções em 2015, saudando alguns avanços, mas o governo dos EUA avisou no fim de março que essa suspensão não poderia ser renovada no próximo prazo.

A Casa Branca também emitiu um alerta de "Não Viaje" para a Belarus para os cidadãos americanos e alertou os aviões americanos a exercerem extrema cautela se considerarem voar sobre o espaço aéreo do país.

Além disso, confirmou que o Departamento de Justiça, incluindo o FBI, está investigando o incidente em cooperação com seus correspondentes europeus.

A UE, por sua vez, está estudando a possibilidade de sanções contra a Belarus, que podem ter como alvo as exportações de potássio e o trânsito do gás russo, duas importantes fontes de receita para o país, disse o diplomata europeu Josep Borrell na quinta-feira. Bruxelas pediu às companhias aéreas que evitem a Belarus.

Minsk afirma que o avião foi desviado devido a uma ameaça de bomba e que a prisão de Protasevich e sua namorada, Sofia Sapega, foi aleatória./REUTERS e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.