AP Photo/Andrew Harnik
AP Photo/Andrew Harnik

EUA vão mandar vacinas para o México em troca de controle migratório

Presidente americano quer ajuda mexicana para conter crise na fronteira, segundo o jornal 'The Washington Post'; Canadá também receberá doses

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2021 | 13h22
Atualizado 19 de março de 2021 | 12h54

WASHINGTON -  O governo de Joe Biden anunciou nesta quinta-feira, 18, que fornecerá ao México 2,5 milhões de doses da vacina da AstraZeneca contra o novo coronavírus, ao mesmo tempo em que os mexicanos aceitaram ajudar os Estados Unidos a conter um aumento significativo da imigração, principalmente de menores, ao longo da fronteira entre os dois países. Os EUA também enviarão 1,5 milhão de doses para o Canadá, no primeiro compartilhamento de vacinas.

“Temos cerca de 7 milhões de doses da AstraZeneca que podemos entregar”, disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, em entrevista coletiva. Ela afirmou que os EUA receberam pedidos de vários países para receberem as doses da vacina da AstraZeneca, desenvolvida na Inglaterra, mas não revelou quais.

Embora seu uso já tenha sido autorizado em dezenas de países, incluindo México e Canadá, a vacina da AstraZeneca ainda não foi aprovada pelos reguladores americanos. Psaki disse que os carregamentos para o México e Canadá seriam essencialmente um empréstimo, e os EUA receberiam doses de AstraZeneca, ou outras vacinas, no futuro.

“Nossa expectativa é que também teremos doses adicionais de Moderna ou Pfizer para compartilhar com outros países assim que os EUA cumprirem seu objetivo de vacinar toda a população adulta”, acrescentou. Os EUA já administraram 115 milhões de doses desde o início da vacinação, em dezembro.

“Nossa prioridade continua a ser vacinar a população dos EUA, mas a realidade é que esse vírus não conhece fronteiras e garantir que nossos vizinhos possam contê-lo é crítico para proteger a saúde e a segurança econômica dos americanos e para impedir a propagação do covid-19 em todo o mundo”, disse anonimamente um funcionário de alto escalão da Casa Branca.

A porta-voz reconheceu que a negociação do México sobre as vacinas ocorreu aos mesmo tempo em que os EUA conversavam com o governo mexicano para pedir ajuda para conter a chegada em massa de menores imigrantes, mas ela negou que Washington tenha condicionado uma questão à outra ou tenha utilizado as vacinas para pressionar com relação à imigração. 

As autoridades mexicanas também disseram que o acordo não condicionava a entrega de vacinas à repressão dos imigrantes. Mas os EUA deixaram claro que querem ajuda do México para gerenciar um fluxo recorde de adolescentes e crianças da América Central na fronteira entre os dois países. 

Antecipando uma grande onda migratória, Biden perguntou em uma videochamada ao presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, se ele poderia ajuda a resolver o problema, revelaram funcionários mexicanos. O México se comprometeu a receber de volta mais famílias centro-americanas “expulsas” sob uma ordem de emergência dos EUA e anunciou hoje que restringirá a partir de sábado o trânsito terrestre em sua fronteira com a Guatemala, algo que nunca tinha feito antes.

As autoridades atribuíram o fechamento à necessidade de conter a disseminação da covid-19, mas ele ocorre em plena onda de imigração para os EUA, incentivada pelo abrandamento das políticas de imigração do governo Biden, que têm recebido críticas até mesmo de democratas. 

Logo após assumir o poder, Biden desmantelou várias políticas de imigração do ex-presidente Donald Trump, interrompendo a construção de um muro de fronteira, impedindo a rápida expulsão de crianças na fronteira e propondo um caminho para a cidadania para milhões de imigrantes nos EUA.

Migração

Nas últimas semanas, o México divulgou uma série de operações anti-imigração, principalmente ao longo de sua fronteira sul. A Guarda Nacional do México invadiu os trens para o norte que adolescentes da América Central costumam usar para chegar até a fronteira com os Estados Unidos, barrou migrantes com documentos falsificados e divulgou imagens de migrantes detidos. 

Esse tipo de operação não é novidade, mas aumentou nas últimas semanas à medida em que cresceu o número de migrantes centro-americanos que passam pelo México. Autoridades mexicanas disseram que suas ações de imigração são conduzidas independentemente dos Estados Unidos, com o objetivo de aplicar as próprias leis que regulam o fluxo de migrantes.

Os EUA decidiram doar as doses da AstraZeneca na semana passada, após a aprovação pela FDA (agência reguladora) de uma terceira vacina, da Johnson & Johnson, além das produzidas pela Pfizer/BioNTech e Moderna. Os EUA estão bem à frente de quase todos os outros países no número total de mortes por covid-19 – mais de 538 mil –, mas agora também estão no topo da lista de distribuição de vacinas. Biden disse na semana passada que todos os americanos com 18 anos ou mais estariam qualificados para receber as doses até 1.º de maio. / EFE, NYT e W. POST

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.