EUA vão propor regras para neutralidade na internet

O presidente da Comissão Federal de Comunicações (FCC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos, Julius Genachowski, planeja propor novas regras que vão proibir fornecedores de serviços de internet de interferirem no fluxo livre de informações e de certos aplicativos em suas redes. Conforme reportagens publicadas neste sábado por Washington Post, New York Times e Wall Street Journal, o presidente da FCC vai anunciá-las em um pronunciamento na segunda-feira na instituição Brookings, uma empresa de pesquisas de Washington.

AE-AP, Agencia Estado

19 de setembro de 2009 | 19h27

As propostas vão manter uma promessa do presidente Barack Obama, que, durante a campanha presidencial afirmou que iria dar suporte à neutralidade na internet. Isso impediria fornecedores de serviços de internet, como a Verizon Communications, a Comcast e a AT&T, de desacelerar ou bloquear certos serviços ou conteúdos em suas vastas redes.

Servidores de internet têm se mostrado contrários às novas regras, argumentando que eles precisam ser capazes de ter certeza de que os aplicativos que exigem alta velocidade de transmissão não desacelerem o acesso à internet por outros usuários.

Os princípios de neutralidade na internet existentes se concentram em acesso à internet de alta velocidade fornecido por sistemas sem fio (wireless). Mas o Google e outras grandes companhias de tecnologia, bem como grupos de defesa dos consumidores, pedem regras que exijam que redes wireless sejam abertas similarmente para todos os aparelhos e aplicativos. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAinternetbanda larga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.