Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

EUA vão receber 100 milhões de doses a mais da vacina da Pfizer após acordo

País agora tem garantido 200 milhões de unidades do imunizante da empresa que serão entregues até julho de 2021

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2020 | 09h53

O governo americano e a farmacêutica Pfizer firmaram um acordo para fornecimento de 100 milhões de doses a mais da vacina contra a covid-19 desenvolvida em parceria com a alemã BioNTech, o que leva o país a ter 200 milhões de unidades do imunizante da empresa. 

Todas as doses são esperadas para serem entregues até julho de 2021. O compromisso resolve o problema dos Estados Unidos que não fez uma pré-encomenda da vacina, mas deixaria países pobres com mais dificuldades de obtê-la

Os EUA asseguraram ontem que têm contratadas 900 milhões de doses de várias vacinas e poderiam aumentar a cifra a 3 bilhões, o que lhes garantiria “excedentes” que planejam compartilhar com seus aliados no mundo. O país tem uma população de 330 milhões de pessoas, da qual devem ser subtraídos cerca de 70 milhões que não receberão a vacina agora, pois não é indicada a menores de 16 anos.

A agência de notícias Reuters mostrou na quarta-feira, 16, que o mecanismo global para distribuir vacinas contra covid-19 para países mais pobres – o Covax Facility, da Organização Mundial da Saúde (OMS) – corre risco de fracasso “muito alto”. Isso poderia fazer com que bilhões de pessoas fiquem sem acesso às vacinas até o fim de 2024.

Os documentos obtidos pela agência mostram que faltam fundos, há riscos de ausência de suprimento e existem arranjos contratuais complexos que podem impossibilitar a realização de seus objetivos. 

Na mesma linha, um relatório divulgado na semana passada pela People’s Vaccine Alliance – um grupo de organizações não governamentais – alertou que cerca de 70 países pobres ou em desenvolvimento só serão capazes de vacinar uma em cada dez pessoas em 2021. 

O Covax, do qual o Brasil faz parte, almeja entregar ao menos 2 bilhões de doses de vacina até o final de 2021 para cobrir 20% das pessoas mais vulneráveis de 91 países pobres e de renda média, a maioria na África, Ásia e América Latina. /NYT, Reuters, Washington Post

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.