EUA vêem aliança entre Chávez, Fidel e esquerda latina

O governo Bush está ficando cada vez mais preocupado com o que vem sendo interpretado como uma ação conjunta dos governos de Cuba e da Venezuela para alimentar o antiamericanismo em países latinos com dinheiro, doutrinação e treinamento.Segundo autoridades dos Estados Unidos, a aliança combina a experiência política de Fidel Castro com o dinheiro do petróleo venezuelano. Dinheiro venezuelano pode ter sido fundamental na queda do ex-presidente da Bolívia, Gonzalo Sanchez de Lozada, acusam fontes do governo dos EUA que pediram para ficar anônimas.Também existiria evidência de uso de homens e dinheiro venezuelano no apoio à oposição de esquerda no Uruguai e no Equador, segundo os americanos, que ainda acusam o governo de Hugo Chávez de apoiar as guerrilhas de esquerda na Colômbia - as Farc e o ELN.O presidente da Comissão de Relações Exteriores do Congresso venezuelano, Tarek William Saab, disse que as acusações contra o governo Chávez são ?falsas, irresponsáveis e covardes?.Os americanos dizem ainda que Fidel Castro voltou a oferecer treinamento, conselhos e apoio logístico a grupos de esquerda na América Latina, retomando atividades que tinham ficado paradas nos anos 90. Segundo Roger Noriega, principal assessor do secretário de Estado Colin Powell para a América Latina, Fidel, ?em seus últimos dias de vida?, parece ter ?nostalgia por desestabilizar governos eleitos?. Cuba não tem uma opinião melhor sobre o governo dos EUA. Segundo Osvaldo Martinez, da Assembléia Nacional cubana, os cubanos devem se preparar para ?a crescente agressividade dos EUA e suas ameaças a Cuba?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.