EUA vetam resolução contra Israel na ONU

Os Estados Unidos vetaram, nesta sábado, uma resolução no Conselho de Segurança (CS) da ONU que condenaria a ofensiva militar de Israel na Faixa de Gaza, em particular pela matança em Beit Hanún, e exigiu que as tropas israelenses saiam do território. Na votação dos 15 membros do Conselho, a resolução obteve 10 votos a favor e quatro abstenções (Inglaterra, Dinamarca, Japão e Eslováquia), além da decisão americana. A resolução, apresentada pelo Qatar, o único país árabe representado no Conselho, não pôde ser aprovada porque o voto dos americanos, maiores aliados dos israelenses, tem poder de veto. EUA, Rússia, Reino Unido, China e França são membros permanentes do CS e podem bloquear qualquer resolução. A Alemanha também faz parte deste grupo, mas sem poder de veto. O embaixador americano na entidade, John Bolton, disse que os EUA estavam "perturbados" de que a resolução, apoiada pelos árabes, seja "preconceituosa contra Israel e politicamente motivada". "Esta resolução não mostra se mostra imparcial sobre os eventos recentes em Gaza, nem avança uma acordo de paz entre israelenses e palestinos", disse o diplomata ao CS. Este foi o segundo veto dos EUA a uma resolução do CS contra Israel neste ano. O país bloqueou uma ação, em julho, após o Estado judaico ter lançado uma ofensiva na palestina em resposta à captura de um soldado de seu Exército, capturado por simpatizantes do grupo radical Hamas. Na madrugada de quarta-feira, bombas israelenses atingiram um bairro residencial de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza. Dezoito pessoas morreram, entre elas oito crianças. O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, qualificou o massacre como uma "falha técnica".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.