EUA vetarão reconhecimento do Estado palestino na ONU

Departamento de Estado confirma que Washington não respaldará demanda dos palestinos

Agência Estado

08 Setembro 2011 | 16h19

WASHINGTON - Os palestinos lançaram nesta quinta-feira, 8, uma campanha para apoiar seu pedido de reconhecimento perante a Organização das Nações Unidas (ONU), apesar da oposição dos Estados Unidos. Líderes palestinos se reuniram para reafirmar seus planos de se tornarem o 194º Estado membro do organismo mundial.

 

Veja também:

linkPalestinos lançam campanha oficial por reconhecimento
especialESPECIAL: 
As disputas territoriais no Oriente Médio

 

Mas Washington reafirmou que vai vetar a tentativa palestina e uma fonte europeia disse que a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Catherine Ashton, vai viajar para o Oriente Médio na próxima semana para conversar sobre a medida.

 

A chamada "Campanha Nacional pela Palestina: 194º Estado" é parte do processo que vai culminar em 20 de setembro, quando o presidente Mahmoud Abbas deve apresentar um pedido formal à ONU para que o organismo aceite o Estado palestino como membro. Estão previstas manifestações nos territórios palestinos e em todo o mundo antes do pedido formal de filiação.

 

Nesta quinta-feira, Abbas reuniu-se com graduados representantes palestinos, dentre eles o comitê central de seu partido, o Fatah, o comitê executivo da Organização para a Libertação da Palestina (OLP) e líderes de vários partidos políticos palestinos.

 

O comitê da OLP "reafirma a necessidade de continuar, na próxima sessão da ONU, o processo para a obtenção do reconhecimento da filiação do Estado da Palestina com as fronteiras de 4 de junho de 1967 e com Jerusalém Oriental como sua capital", afirmou o secretário-geral da OLP, Yasser Abed Rabbo, em comunicado após a reunião.

 

"A liderança palestina acredita que alcançar este objetivo vai encorajar o relançamento de um processo de paz sério e novas negociações com o claro objetivo de chegar a uma solução de dois Estados com base nas fronteiras de 1967", disse ele, referindo-se às linhas existentes antes da Guerra dos Seis Dias.

 

A reunião das lideranças aconteceu apenas dez dias antes de Abbas viajar para Nova York, onde ele vai apresentar o pedido formal de adesão ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, em 20 de setembro.

 

Embora a votação não vá mudar a situação, os palestinos acreditam que um forte endosso internacional vá isolar Israel e impulsionar sua posição em negociações futuras. Israel se opõe a uma retirada total dos territórios ocupados após 1967.

 

Em Washington, a porta-voz do Departamento de Estado Victoria Nuland disse que a oposição de Washington à medida palestina "não deve ser um choque". "Se algo for levado a votação no Conselho de Segurança, os Estados Unidos vetarão", disse ela. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.