EUA voltam a bombardear Cabul

Os Estados Unidos retomaram nesta terça-feira os ataques a Cabul, capital do Afeganistão, e pelo menos 10 bombas atingiram a região norte da cidade. Mas a Aliança do Norte, que se opõe ao Taleban, quer que os Estados Unidos intensifiquem os ataques, alegando que os bombardeios aéreos não têm ajudado a oposição a dominar cidades importantes. Desde domingo, caças americanos atingiram postos do Taleban no norte das cidades de Cabul e de Mazar-e-Sharif. O enviado da Aliança do Norte, entretanto, disse que os ataques não permitem que a oposição lance uma ofensiva contra essas cidades. "É preciso muito mais para que nós possamos realizar ataques por terra", disse o enviado Haroon Amin. Amin pede para que haja mais coordenação entre os bombardeios e os ataques da oposição. "Queremos coordenação simultânea em todos os frontes", Amin afirmou. Apesar dos ataques americanos, a Aliança do Norte ainda não conseguiu mostrar que seus soldados são armados e treinados o suficiente para avançar contra postos do Taleban. A oposição não consegue avançar sobre Cabul e aparentemente falharam na tentativa de dominar Mazar-e-Sharif. O Taleban sofreria um duro golpe caso os opositores conseguissem capturar a cidade, pois poderiam receber armas e munição do Usbequistão, que fica ao norte do Afeganistão. A conquista de Cabul também seria importante para a Aliança do Norte, mas os EUA estão relutantes em permitir que a oposição avance sobre a capital afegã. O objetivo é formar uma aliança que possa garantir alguma estabilidade antes de depor o regime do Taleban. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.