EUA  mataram 865 em 2 meses de bombardeios, diz oposição síria

De acordo com o Observatório Sírio para Direitos Humanos, a maioria das mortes - 746 - foi de militantes do Estado Islâmico

O Estado de S. Paulo

12 de novembro de 2014 | 10h50

DAMASCO -  Ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos na Síria mataram 865 pessoas, incluindo 50 civis, desde o início de uma campanha em setembro contra militantes do Estado Islâmico, disse nesta quarta-feira um grupo que monitora o conflito.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, com sede na Grã-Bretanha, disse que a maioria das mortes, 746, foi de militantes do Estado Islâmico, e afirmou que o número real pode ser muito maior.

Entre os civis mortos, oito eram crianças e cinco eram mulheres, de acordo com o Observatório. A entidade disse que 68 membros da Frente Nusra, filiada à Al-Qaeda, também morreram nos ataques aéreos, que começaram em 23 de setembro./ REUTERS

Mais conteúdo sobre:
SíriaEUAEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.