Euro carrega esperança de crescimento econômico

Ao mesmo tempo em que a chegada do eurofez surgir um sentimento de grande nostalgia entre a populaçãoda Europa - numa pequena cidade alemã, o marco recebeu umfuneral completo -, entre seus líderes nasce a esperança de quea moeda impulsione o crescimento econômico nos 12 paíseseuropeus que a partir de amanhã passam a adotar a divisa comumeuropéia.Num ato especial realizado em Frankfurt em comemoração àchegada do euro, o presidente do Banco Central Europeu (BCE),Wim Duisenberg, declarou que desde que a moeda começou a serusada em transações corporativas e investimentos, há três anos,tem contribuído para a estabilidade dos preços e possibilitandouma maior transparência no comércio além fronteiras. "Pelaconseqüente simplificação das relações comerciais internacionais, a Europa deverá se habituar de novo ao crescimento do ProdutoInterno Bruto (PIB) em 2002, que pode chegar até a um pontoporcentual", acrescentou Duisenberg. "Mas se o crescimento forsomente de 0,5 ponto porcentual, será fantástico."Também o presidente da Comissão Européia, Romano Prodi, nãoescondeu seu entusiasmo. "O euro vai proteger a Europa de sacudidas econômicas como as que se seguiram aos atentados de 11 de setembro nosEstados Unidos ou à crise Argentina", disse ao jornalaustríaco Die Presse. "É muito mais difícil mexer com o euronuma crise do que com qualquer uma das moedas nacionais queexistiram até agora."Mais de 15 bilhões de notas e 52 bilhões de moedas - no valorde 646 bilhões de euros - foram produzidas e cerca de 6 bilhõesde notas e 37,5 bilhões de moedas já foram distribuídas aosbancos e lojas. Hoje, o euro foi cotado em US$ 0,8859.Em Frankfurt, a caixa do Banco Commerzbank Sonja Scholl abriusua gaveta com 120 mil euros (cerca de US$ 105 mil) emreluzentes notas e moedas. Também em Frankfurt, o gerente daBurger King, Manfred Obels, disse: "Nós fizemos alguns testesontem (domingo) e não tivemos problemas."Confusões serão inevitáveis. Em Lisboa, os leitores dosmedidores eletrônicos de estacionamento nas ruas colocaramadesivos nas máquinas dizendo que estas só aceitavam euros.Porém, todas as máquinas estavam programadas para receber tambémescudos até à meia-noite de hoje. Alguns motoristas mostraram-sefrustrados ou, talvez, um pouco oportunistas. "A confusãocomeçou", disse um deles ao estacionar sem colocar a moeda nomedidor, alegando não ter euros.Na província austríaca de Vorarlberg, alguns motoristas detáxi pediam aos passageiros para continuarem pagando com a moedanacional (xelim) até o feriado nacional no dia 6. Mas ascompanhias de ônibus insistiam para que as tarifas fossem pagasem euros após a meia-noite de hoje.A Comissão Européia e o BCE depositaram sua confiança numatransição rápida e menos complicada possível em duasmedidas-chave. A primeira, os caixas automáticos dos bancosforam programados para liberar apenas euro no ano novo e nosdois dias seguintes. E segundo, o troco dado pelos comerciantesaos seus clientes será somente em euro, num acordo feito entre ogoverno e os maiores varejistas.O euro está em circulação desde 1999 para transaçõescorporativas e investimentos e a partir da meia-noite de hojepassaram a circular as moedas e notas. As moedas nacionaissairão definitivamente de circulação no dia 28 de fevereiro.Entre os 15 países da União Européia (UE), Grã-Bretanha, Suéciae Dinamarca não aderiram à moeda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.