Eurodeputado provoca confusão ao elogiar Salazar e Franco

Um eurodeputado polonês, Maciej Marian Giertych, provocou confusão durante uma sessão do Parlamento Europeu nesta terça-feira depois de elogiar os regimes liderados pelos ex-ditadores Francisco Franco, na Espanha, e Antonio Salazar, em Portugal.Maciej Marian Giertych, deputado independente e pai do vice-primeiro-ministro da Polônia, Roman Giertych, disse que a Europa "carece de declarações como essa nos dias de hoje" e elogiou Franco e Salazar por impedir a disseminação do que ele qualificou como "a praga do comunismo".As declarações de Giertych, feitas durante um debate sobre os 36 anos da ditadura liderada por Franco na Espanha, foram imediatamente rebatidas por Martin Schulz, líder da bancada socialista no Parlamento Europeu. Segundo Schulz, as declarações eram de uma "encarnação do espírito do general Franco"."O que acabamos de ouvir foi um discurso fascista para o qual não existe lugar no Parlamento Europeu", reagiu um Schulz visivelmente revoltado.Uma confusa discussão se seguiu. Diversos deputados começaram a se acusar mutuamente no plenário do Parlamento Europeu, na cidade francesa de Estrasburgo.Schulz esteve por trás de uma resolução no Parlamento Europeu aprovada no mês passada na qual a Polônia é citada como um país onde o racismo e a homofobia estão em alta.O filho de Giertych, Roman, líder da Liga das Famílias Poloneses, um partido católico ultraconservador, exigiu um pedido de desculpas pela resolução.O partido de Roman Giertych promove valores ultraconservadores da Igreja Católica e possui uma ala jovem que ataca desfiles de homossexuais e simpatizantes na Polônia. A entrada do partido no governo polonês provoca preocupação na Europa.Nesta terça, Maciej Marian Giertych disse ao Parlamento Europeu que Franco e Salazar defendiam "valores católicos", motivos pelos quais merecem elogios. "A Europa cristã está perdendo para os socialistas. Isso precisa mudar", prosseguiu.Em 1936, uma rebelião liderada por Franco contra o governo republicano democraticamente eleito desencadeou a Guerra Civil Espanhola. Franco governou a Espanha, muitas vezes com brutalidade, de 1939 a 1975.O regime de Salazar em Portugal também estendeu-se por décadas. Ele morreu em 1968, mas a ditadura persistiu até 1974, quando a Revolução dos Cravos derrubou seu substituto, Marcello Caetano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.