Europa anuncia embargo a petróleo iraniano e amplia tensão no Golfo

A União Europeia aprovou ontem um embargo contra o petróleo iraniano. Para diplomatas, a medida pode ser o último recurso para forçar o Irã a abandonar seu programa nuclear. Em Teerã, a reação foi imediata. O governo iraniano ameaçou fechar o Estreito de Ormuz e interromper imediatamente o fornecimento do produto, o que agravaria a crise econômica global.

JAMIL CHADE, CORRESPONDENTE / GENEBRA , O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2012 | 03h09

A chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton, disse que o objetivo da nova sanção é fazer o Irã negociar. Segundo ela, a UE propôs o diálogo, mas ainda não obteve resposta. Nos últimos dias, apesar dos sinais desencontrados emitidos por Teerã, mediadores acreditam que a pressão esteja dando resultados e o regime iraniano estaria disposto a negociar.

Além do embargo sobre o petróleo iraniano, a UE congelou os bens do Banco Central do Irã, restringiu investimentos no país e proibiu a exportação de equipamentos para exploração de gás. No total, 500 iranianos já estão com suas contas congeladas e proibidos de viajar para a Europa.

No entanto, a grande ferramenta de pressão é mesmo o embargo sobre o petróleo, responsável por grande parte do financiamento externo da economia iraniana. A UE responde por 20% das exportações de petróleo do Irã. Os europeus importam 400 mil barris por dia do Irã - são superados só pela China, que compra 600 mil barris por dia.

O embargo, porém, pode se transformar em dor de cabeça para a Europa, que vive sua pior crise desde a criação do euro. Pressionada por Grécia, Espanha e Itália, que importam do Irã grande parte do petróleo que consomem, a UE optou por um embargo progressivo. A sanção vale para todos os novos contratos, mas os países terão até julho para buscar alternativas.

Ameaça. Para Ali Fallahian, ex-ministro e membro da Assembleia dos Especialistas, colegiado que escolhe o líder supremo do Irã, o país deveria encerrar as exportações à Europa, afetando a zona do euro. "A melhor forma é parar as exportações antes dos seis meses de prazo e antes da implementação do plano", disse. Segundo ele, se isso ocorrer, as sanções entram em "colapso".

O Irã ainda ameaçou novamente fechar o Estreito de Ormuz. "Se qualquer problema for registrado na venda de petróleo iraniano, o Estreito de Ormuz será fechado", disse Mohamed Kossari, vice-presidente do Comitê de Segurança Nacional do Parlamento. No fim de semana, um porta-aviões americano e navios de guerra franceses e britânicos desafiaram as ameaças e navegaram pela região. A Casa Branca já disse que não aceita o fechamento. Para o Ministério da Defesa britânico, a presença de navios na região "mostra o compromisso dos três países em manter a passagem aberta".

A Rússia, que rejeita mais sanções, reagiu de maneira moderada. O chanceler russo, Sergei Lavrov, classificou o embargo como um "fator agravante" e disse que tentaria convencer o Irã a negociar.

Em um comunicado, Alemanha, Grã-Bretanha e França também pediram a volta das negociações. "Pedimos que os líderes do Irã suspendam suas atividades nucleares imediatamente", afirma o texto, que garante que "as portas estão abertas para que o Irã entre em negociações sérias e significativas sobre seu programa nuclear". "Espero que o Irã recobre sua consciência e aceite negociar", afirmou o chanceler britânico, William Hague.

Preço do barril. EUA e Israel elogiaram as sanções aprovadas na Europa. Para o premiê israelense, Binyamin Netanyahu, o embargo é um "passo na direção certa". O presidente americano, Barack Obama, afirmou que as punições mostram a união da comunidade internacional frente à grave ameaça do programa nuclear persa. O secretário do Tesouro, Tim Geithner, e a de Estado, Hillary Clinton, as consideraram "um passo positivo no esforço para aumentar dramaticamente a pressão sobre o Irã".

A troca de farpas de ontem entre europeus e iranianos fez o preço do produto subir. O tipo brent, negociado em Londres, subiu US$ 1,17 e chegou a US$ 111,03. O barril tipo WTI, cotado em Nova York, foi a US$ 98,05, uma alta de US$ 1,04.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.