Ebrahim Noroozi/AP
Ebrahim Noroozi/AP

Europa dribla sanções dos EUA para enviar material médico ao Irã

Sanções economicas americanas são vistas como um entrave no combate ao coronavírus no país do Oriente Médio

Redação, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2020 | 07h01

BERLIM - Países europeus driblaram as sanções impostas pelos Estados Unidos ao Irã nesta terça-feira, 31, para entregar materiais médicos ao governo de Teerã. O país do Oriente Médio é um dos mais afetados pela pandemia de coronavírus, com mais de 40 mil casos e 2,7 mil mortes.

Para realizar a operação, França, Alemanha e Reino Unido utilizaram o Instrumento de Apoio às Trocas Comerciais (Instex), um mecanismo criado por países do continente em 2019 para operacionalizar transações com o Irã sem violar as sanções dos EUA. Esta foi a primeira transação a ser confirmada envolvendo o mecanismo.

"França, Alemanha e Reino Unido confirmam que realizaram com sucesso a primeira transação Instex, que permitiu a exportação de material médico da Europa ao Irã. As mercadorias estão no Irã", afirmou o Ministério das Relações Exteriores da Alemanha em um comunicado.

As sanções americanas ao país asiático tornam o enfrentamento ao coronavírus uma missão ainda mais difícil. A imposição dos Estados Unidos impede a importação de remédios e outros equipamentos médicos. Segundo uma lista oficial, faltam luvas, máscaras e até seringas

Suprimentos humanitários aparecem como exceção no texto das sanções americanas, mas as penalidades impedem as empresas de estabelecer uma negociação comercial com o governo iraniano. O país também está impedido de exportar petróleo e produtos manufaturados por conta de sanções secundárias, o que tem agravado a situação econômica./ COM INFORMAÇÕES DA AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.