Europa não faz o suficiente para ajudar África

Uma autoridade britânica convocou no sábado os países ricos europeus a fazer mais para ajudar as cerca de 10 milhões de pessoas que sofrem com uma seca devastadora na região do Chifre da África. "Temos visto ofertas irrisórias até agora de governos europeus ricos", disse o Secretário de Desenvolvimento Internacional, Andrew Mitchell.

AE, Agência Estado

17 de julho de 2011 | 13h34

Ele disse a repórteres na capital queniana, Nairóbi, que o governo britânico dará 85 milhões de euros em ajuda contra a seca, e pediu que outras nações contribuam com mais.

"É algo terrível em nosso mundo que um bebê deva morrer de falta de alimentos", disse ele, descrevendo mulheres e crianças somalis desesperadas que haviam chegado a campos de refugiados no Quênia a pé, depois de terem sido obrigados a deixar para trás os corpos de membros da família.

Mitchell não mencionou o governo somali em seu discurso. Um relatório divulgado neste ano por uma autoridade do governo somali dizia que doadores árabes deram milhões de dólares nos últimos dois anos. Não se sabe o que foi feito do dinheiro, motivo pelo qual os doadores trabalharão através de organizações de caridade estabelecidas, e não através do governo somali. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Africaenchentesseca

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.