Europa pisa no freio com relação a guerra no Iraque

O Iraque? A Europa, como um todo, ou, maisprecisamente, os grandes países europeus, estão pisando no freiocom toda a força.A Inglaterra (tendo como animador Tony Blair) começou imitando os Estados Unidos, como sempre fez, preparando-se com entusiasmo para o combate. Mas o entusiasmo está arrefecendo. A opinião pública é tão crítica que Blair começa a recuar.A França sempre foi reticente. Jacques Chirac multiplicou asiniciativas diplomáticas para esfriar os ardores de George W.Bush. Mas fez isso a sua maneira, fluída, contraditória: um dia"sim", outro "não", um terceiro "talvez". Há dois dias,Chirac voltou a uma oposição mais franca.Mas o país mais firme na condenação continua sendo a Alemanha, do chanceler Gerhard Schroeder. Este jamais mudou de opinião: durante sua campanha, antes das eleições de 28 de setembro, que renovou seu mandato de chanceler, ele martelou que a Alemanha não faria nada no caso do Iraque. Desde então, mantém o mesmo discurso. Há dois dias, reafirmou sua posição.Três princípios o orientam: 1º - A Resolução 1.441 da Organização das Nações Unidas (ONU) deve ser rigorosamenteaplicada; 2º - É preciso tentar de tudo para impedir a guerra; 3º - Em nenhuma hipótese a Alemanha participará de uma guerra contra o Iraque.Os democrata-cristãos alemães (direita) estão furiosos. MasSchroeder não vacilou.Este episódio é excepcional na Alemanha do pós-Guerra ? até agora sempre ligada aos Estados Unidos. É esta a primeira vezdesde 1945 que a Alemanha manifesta uma divergência comWashington em uma questão fundamental.Os democrata-cristãos, conservadores, denunciam este desvio da diplomacia alemã. Acusam Schroeder não apenas de estar se afastando dos EUA, mas também, e mais gravemente, da própriahistória alemã.Esta insolência alemã é talvez um dos efeitos longínquos eindiretos da reunificação da Alemanha, que se encontra enfimnuma situação de potência - uma potência ao mesmo tempo grande, coerente e emancipada de seu "padrinho" norte-americano.Alguns se aproveitam da situação atual dos países europeus emface dos projetos norte-americanos no Iraque para deplorar que aUnião Européia não tenha conseguido jamais forjar para si umadiplomacia comum.Se nascesse essa diplomacia européia, a UE poderia finalmentedefinir, defender e aplicar uma diplomacia original, capaz decontribuir para reintroduzir um pouco de equilíbrio no mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.