Europa pode processar Israel por destruir infra-estrutura palestina

A União Européia (UE) informou segunda-feira que pode pedir indenização a Israel pelos projetos financiados pela UE na Cisjordânia e Faixa de Gaza, avaliados em US$ 14,7 milhões, destruídos por forças israelenses nos últimos 16 meses de confrontos, no que uma autoridade européia classificou ato de "vandalismo".O ministro do Exterior espanhol, Josep Pique, escreveu uma carta entregue nesta segunda-feira ao chanceler israelense Shimon Peres informando que a UE está seriamente preocupada com a destruição e se reserva o direito de exigir compensação, disse a porta-voz do Ministério do Exterior de Israel, Yaffa Ben-Ari. A Espanha ocupa atualmente a presidência rotativa da UE.Ben-Ari afirmou que Israel está tentando causar o mínimo dano às instalações civis. Alan Baker, assessor legal do Ministério do Exterior, disse que Israel se reserva o direito de alvejar instalações palestinas quando elas são usadas para planejar e executar ataques contra Israel. "No contexto de uma guerra essas coisas acontecem e é isso", afirmou Baker à Rádio de Israel.Jean Breteche, chefe do Escritório de Assistência Técnica da Comissão Européia em Jerusalém, responsável pela execução e administração de projetos de desenvolvimento na Cisjordânia e Faixa de Gaza, acusou Israel de causar a destruição intencionalmente."Os projetos dos quais falamos são de infra-estrutura - escolas, laboratórios, pista de pouso, suprimento de água - nada que poderia justificar uma demolição por razões de segurança. Trata-se de uma forma de vandalismo", disse Breteche. Ele afirmou que 17 projetos foram destruídos ou seriamente danificados por operações militares israelenses.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.