AFP
AFP

Europa precisa integrar melhor a comunidade muçulmana, diz Obama

Para presidente, o extremismo violento não é uma ameaça existencial e pode ser derrotado; ele deu as declarações ao lado do premiê britânico, que visita o país

O Estado de S. Paulo

16 de janeiro de 2015 | 17h32

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Barack Obama, em declarações ao lado do premiê britânico, David Cameron, disse, nesta sexta-feira, 16, que partes da Europa precisam integrar melhor a comunidade muçulmana após os ataques na França. Segundo ele, o extremismo violento não é uma “ameaça existencial” e pode ser derrotado. Para isso, afirmou, é preciso mais do que armas. 

"Nosso maior avanço é a nossa população muçulmana. As pessoas dessa comunidade se sentem americanas", disse Obama. "Mas isso não é o caso em partes da Europa. E isso provavelmente é o maior perigo que a Europa enfrenta. É importante para a Europa não responder a esse problema simplesmente com um martelo, leis e ações militares", declarou o presidente. 

Obama disse não considerar o extremismo violento uma ameaça existencial e tem confiança de que pode ser derrota. "Esse fenômeno violento, a ideologia, as redes, a capacidade de recrutar pessoas jovens, isso se tornou uma metástase e está disseminado, penetrando em comunidades por todo o mundo", afirmou. "Mas não o considero uma ameaça existencial É algo que vamos finalmente derrotar. Mas não podemos fazer isso apenas com armas." / AFP e REUTERS 


Tudo o que sabemos sobre:
Barack Obamaextremismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.