Europa retoma maior parte dos voos

Recuperação. Pelo menos 75% do espaço aéreo europeu foi liberado ontem pelas autoridades, mas confusão nos aeroportos e medo de falhas mecânicas provocadas pelas cinzas do vulcão islandês Eyjafjallajokull persistem depois de uma semana de paralisação

Andrei Netto e Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2010 | 00h00

O transporte aéreo voltou a funcionar de forma parcial ontem em grande parte da Europa, no sétimo dia de erupções do vulcão Eyjafjallajokull, na Islândia. Segundo a Organização Europeia para a Segurança da Navegação Aérea (Eurocontrol), 75% do espaço aéreo da região foi liberado e a expectativa era que 50% dos voos previstos conseguiriam decolar até o fim da noite.

Veja também:

blog Conte sua história sobre o caos nos aeroportos

linkMudança no tempo no empurrará nuvem ao Ártico

linkSistema ferroviário europeu precisa de melhoras

linkSaiba quais são os direitos dos passageiros

linkAumento da atividade do vulcão causa incerteza

mais imagens Veja imagens do vulcão Eyjafjallajoekull

Ainda assim, nas grandes capitais, como Paris, a situação dos passageiros que tentam voltar para casa ainda é difícil. A retomada dos voos ontem era lenta e desigual. Na segunda-feira, o Eurocontrol dividiu o espaço aéreo da Europa em três, de acordo com o grau de periculosidade gerado pela nuvem de cinzas expelida pelo vulcão.

A primeira, fechada aos voos, incluía o Noroeste do continente ? a maior parte da Grã-Bretanha, da Dinamarca e da Suécia. A segunda, parcialmente fechada e com "restrições significativas", abarcava a Alemanha e o norte da França. A terceira, liberada, era mais ampla, incluindo Itália, Noruega, parte do sul da França, Bélgica e Holanda.

"Esperamos que hoje 50% dos voos sejam realizados na Europa", afirmou Brian Flynn, coordenador de operações do Eurocontrol, às 18h30.Segundo um boletim da entidade, 13 mil voos foram realizados ontem. Em uma terça-feira normal, são de 27 mil a 28 mil decolagens. No total, 95 mil voos foram cancelados desde quinta-feira, quando o vulcão entrou em atividade. Na Alemanha, ontem a Lufthansa ainda estimava em 200 o número de voos que realizaria ao longo do dia ? ou 15% do normal. Já a Air Berlin realizaria "tráfego normal" a partir das 18 horas.

Na Inglaterra, a British Airways cancelou todos os voos de curta e média duração, concentrando-se nas rotas internacionais. Na França, a Air France informou ter realizado 95% de longos trajetos e 25% dos médios.

Operando a partir do Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, a TAM mantinha confirmados, até as 21 horas (16 hora de Brasília) de ontem três vôos pra o Brasil. A companhia deu prioridade a passageiros com passagens marcadas para a sexta-feira e o sábado.

De acordo com as autoridades aeroportuárias, a perspectiva é de aumento progressivo do número de voos, mesmo com a intensificação da atividade do vulcão islandês. A maior parte das grandes companhias previa a realização de 100% dos voos de longa duração, entre os quais os que ligam a Europa ao Brasil.

Aviões de teste passaram a sobrevoar países como a França. O objetivo é verificar as condições de visibilidade e o impacto das cinzas nos sistemas eletrônicos e mecânicos das aeronaves. Desde o domingo, nenhum dos voos apresentou problemas técnicos, o que reforçou a pressão das companhias pela liberação parcial do espaço aéreo.

Para tirar a dúvida, foram realizados ontem voos de aeronaves adaptadas para verificar a qualidade do ar e a presença de cinzas na atmosfera. O resultado das análises seria divulgado na noite de ontem. Enquanto o diagnóstico não fosse conhecido, o tráfego na Europa só poderia ser realizado pelos "corredores aéreos", definidos pelas autoridades aeronáuticas. Os voos da Air France entre Paris e Nova York, por exemplo, estavam levando uma hora além do tempo regular, em razão da passagem obrigatória por Bordeaux, no sul do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.