Europa simula ataque terrorista nuclear

Autoridades européias realizaram uma simulação para mostrar com a Al-Qaeda poderia matar 40.000 pessoas e afundar o continente no casos se uma bomba nuclear primitiva fosse detonada do lado de fora do quartel-general da Ontan, em Bruxelas. ?Estamos numa corrida entre a cooperação e a catástrofe?, disse o ex-senador Sam Nunn, que ajudou a organizar o exercício, batizado Aurora Negra. Nunn falou a repórteres nesta terça-feira, um dia depois da simulação a portas fechadas, da qual participaram o chefe de segurança da União Européia, Javier Solana, e seu chefe de contraterrorismo, Gijs de Vries. Na primeira parte do exercício, autoridades européias responderam como reagiriam a informações de que a Al-Qaeda já havia obtido urânio enriquecido suficiente para fazer uma bomba atômica. Na segunda, foram apresentadas projeções e vídeos ilustrando o impacto da explosão da bomba nos arredores de Bruxelas, matando imediatamente 40.000 pessoas, superlotando hospitais, espalhando o pânico pela Europa e causando caos econômico mundial. ?Uma vez que se entre na segunda fase, não existem boas opções?, disse Michele Flournoy, consultora sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, que ajudou a preparar o exercício.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.