Alessandro Grassani/The New York Times
Alessandro Grassani/The New York Times

Europa tem mais de 1 milhão de mortos pela covid-19, diz agência

Segundo agência 'France Presse', proporcionalmente à população, os países mais afetados do mundo são europeus: a República Checa, com 261 mortes por 100 mil habitantes, seguida da Hungria (245) e da Bósnia-Herzegovina (228) 

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2021 | 17h54
Atualizado 12 de abril de 2021 | 18h47

PARIS - A Europa registrou mais de 1 milhão de mortos por covid-19 desde que o coronavírus foi descoberto na China em dezembro de 2019, segundo contagem realizada pela agência de notícias France Presse a partir de balanços fornecidos pelas autoridades de saúde nesta segunda-feira, às 15h30.

Os 52 países e territórios que integram a região da contagem (que vai, ao leste, até o Azerbaijão e a Rússia) totalizam ao menos 1.000.288 mortos (entre 46.496.560 casos), à frente da América Latina e do Caribe (832.577 mortos, 26.261.006 casos), Estados Unidos/Canadá (585.428 mortos, 32.269.104 casos), Ásia (285.824 mortos, 19.656.223 casos), Oriente Médio (119.104 mortos, 7.011.552 casos), África (115.779 mortos, 4.354.663 casos) e Oceania (1.006 mortos, 40.348 casos).

No entanto, as tendências são muito diferentes neste grupo de países. No Reino Unido, após ter registrado 8,7 mil mortes em uma semana no fim de janeiro, a epidemia recuou e, nos últimos sete dias, foram registradas 238 mortes. O país tem vacinado massivamente desde o início de dezembro - cerca de 60% da população adulta já recebeu ao menos uma dose da vacina. 

Outros países, como Itália (3.200 mortes desde o dia 6), Rússia (2.500) ou França (2.200) enfrentam uma terceira onda.

As cifras compiladas pela France Presse se baseiam em relatórios diários publicados pelas autoridades sanitárias de cada país. Trata-se de uma estimativa parcial do número real de mortes, já que os organismos estatísticos de vários países chegaram à conclusão a posteriori de um número ainda maior de mortes vinculadas à covid-19. 

A Europa superou o limite do meio milhão de mortos em 17 de dezembro, 11 meses após o anúncio da primeira morte na China, em janeiro de 2020. Outras 500 mil pessoas morreram em menos de quatro meses. Desde o fim de março, a taxa de mortalidade se estabilizou.

A Europa registrou 27.036 mortes na semana passada, uma média de 3.900 por dia, cifras muito inferiores às da semana mais mortal, registrada no continente. Entre 14 e 20 de janeiro de 2021, foram contabilizadas 40.178 mortes, ou seja, 5,7 mil por dia. 

Proporcionalmente à população, os países mais afetados do mundo são europeus: a República Checa é o país mais enlutado, com 261 mortes por 100 mil habitantes, seguida da Hungria (245) e da Bósnia-Herzegovina (228). 

As mortes registradas na Europa, que tem 900 milhões de habitantes, ou seja, a nona parte da população mundial, representam um terço dos 2,94 milhões de vítimas da pandemia reportadas no mundo, dos mais de 136 milhões de casos diagnosticados desde o começo da pandemia, segundo contagem da France Presse./ AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.