'Europeus manipulam medo', diz Cohn-Bendit

A insegurança causada pela crise econômica observada em alguns países europeus estaria causando uma nova onda de xenofobia no continente. "Essa insegurança causa medo e esse medo pode ser usado pelos governos", afirmou o deputado do Parlamento Europeu Daniel Cohn-Bendit, durante entrevista concedida ontem em Porto Alegre. De acordo com o deputado, este seria o caso do governo do presidente francês, Nicolas Sarkozy, que recentemente deportou dezenas de ciganos para a Romênia.

Elder Ogliari PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2010 | 00h00

Líder do levante estudantil de 1968 em Paris e ligado ao Partido Verde, o político franco-alemão ainda afirmou que o uso do medo pelos governos pode desviar a atenção da incapacidade das administrações locais. Segundo ele, um bom exemplo disso seria o governo do primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi.

O deputado ainda expressou preocupação sobre a unificação europeia, afirmando que o continente está em uma encruzilhada entre uma nova nacionalização dos países - que poderia enfraquecer o bloco - e o aprofundamento definitivo da unidade continental.

"A Europa precisa decidir se é uma unidade ou não", afirmou Cohn-Bendit. "Se a resposta for sim, nesse caso todos somos responsáveis por todos." Para justificar sua percepção de que o continente está diante de um divisor de águas, o parlamentar comparou a Grécia à Califórnia, uma "tão falida" quanto a outra, mas com a diferença de que os Estados Unidos "jamais adotariam a posição de que não são responsáveis" pelo Estado.

Uniformidade regional. Para o político europeu, não há uma esquerda uniforme na América Latina. Cohn-Bendit analisou como "um perigo" o que ocorre na Venezuela - onde Hugo Chávez estaria dissolvendo as estruturas democráticas em nome de uma fixação antiamericana - e como "interessante" o caso do Uruguai, onde "um presidente eleito faz um processamento da experiência dos tupamaros".

Embora tenha feito distinções entre Chávez e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cohn-Bendit criticou o governo brasileiro por optar pelo desenvolvimento econômico tradicional em vez do ecologicamente sustentável. "Esse processo implica a repetição no Brasil dos mesmos erros em termos sociais e ecológicos que se cometeram na Europa", comparou, prevendo que o confronto entre os dois modelos está apenas começando na América Latina.

QUEM É

Daniel Cohn-Bendit é um político franco-alemão membro do Parlamento Europeu. Ele participou das manifestações de estudantes em Paris, em 1968, e hoje integra o Partido Verde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.