Efe
Efe

Europeus planejam aplicar novas sanções contra governo do Irã

Intenção é aprofundar crise econômica de Teerã para país provar que o programa nuclear é pacífico

Jamil Chade, correspondente em Genebra,

04 de outubro de 2012 | 19h40

GENEBRA - As potências europeias querem aproveitar o momento de instabilidade econômica no Irã para fechar o cerco contra o governo de Mahmoud Ahmadinejad. Um projeto liderado por Grã-Bretanha, França e Alemanha pretende asfixiar a economia iraniana com uma nova rodada de sanções que, na prática, interditam o mercado financeiro internacional a Teerã completamente.

Veja também:

link Cooperação iraniana poderia levar a alívio das sanções, diz Hillary

link Ahmadinejad culpa sanções por crise

Na semana passada, a moeda iraniana - o rial - sofreu uma desvalorização de aproximadamente 40%, atingindo sua marca mais baixa em relação ao dólar. Em dois meses, a moeda perdeu 50% de seu valor.

O caos tomou conta do comércio e manifestantes foram às ruas. Em apenas um dia, o preço do leite subiu em quase 10% e a inflação está na marca dos 30% este ano. Ahmadinejad foi obrigado a conceder uma entrevista coletiva para afirmar que não havia motivo econômico algum para a queda do valor da moeda. Mas manteve policiais nas ruas diante dos confrontos entre comerciantes e autoridades.

O que os europeus querem agora é tirar proveito dessa situação e colocar pressão máxima sobre Teerã. Em uma reunião no dia 15, Berlim, Londres e Paris querem ir além e tapar todas as brechas que ainda possam existir para que o governo iraniano manobre sua moeda, suas finanças e seu comércio exterior.

Numa carta aos demais membros do bloco, as três potências afirmam que o Irã não tem dado nenhum sinal de colaboração para reduzir as suspeitas sobre seu programa nuclear. Teerã continua a sustentar a ideia de que seu projeto é para o uso pacífico, o que o Ocidente coloca em questão.

Os europeus querem impedir que a república islâmica consiga driblar as atuais sanções. Diplomatas admitem que o Banco Central iraniano ainda está sendo autorizado a fazer algumas transações, o que permitia certa margem de manobra ao país persa.

O objetivo é também evitar qualquer movimentação do Irã para segurar o valor de sua moeda e reduzir ainda mais a capacidade de Teerã de manter seu comércio exterior com diversos parceiro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.