Reuters
Reuters

Europeus preparam as restrições mais efetivas

Envolvida em 22,5% do comércio sírio, UE deve anunciar medidas contra Assad

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2011 | 03h01

PARIS - A União Europeia - parceira em 22,5% das importações e exportações sírias, a maior parte em derivados de petróleo - deve ampliar ainda nesta semana as restrições ao comércio e ao fluxo financeiro com Damasco.

 

Veja também:

linkMAPA: A revolta que abalou o Oriente Médio

link HOTSITE: Repressão e violência na Síria

Bruxelas vem congelando contas bancárias e pressionando instituições financeiras. A última rodada de sanções impostas pela UE foi decidida no meio do mês. Mais 18 integrantes do regime, em especial militares, tiveram suas contas bancárias e bens congelados. A lista conta ainda com outras 56 pessoas incluídas em sanções anteriores. Bruxelas também bloqueou os bens de 19 organizações e empresas que manteriam relação com o regime, entre eles o Banco Comercial da Síria.

Os créditos do Banco Europeu de Investimentos (BEI) na Síria também foram suspensos. O orçamento da instituição entre 2007 e 2013 previa uma injeção de € 10,7 bilhões em financiamentos, a maioria projetos de energia, no Norte da África e no Oriente Médio, o que incluía a Síria. Entre 1978 e 2010, o país recebeu € 1,7 bilhão em empréstimos do BEI. Os mais recentes contratos envolviam projetos de eletrificação, infraestrutura urbana e programas de saúde pública, também suspensos.

Os € 6,78 bilhões em negócios anuais europeus com a Síria representam quase o dobro do segundo parceiro comercial do país, o Iraque, e duas vezes e meia o terceiro, a Arábia Saudita. Mais de 88% das importações da UE são derivados de petróleo, o que torna o setor na Síria muito dependente das relações com o bloco.

A nova rodada de sanções envolveria a proibição de que bancos, companhias de seguros e outras instituições financeiras invistam na Síria. A negociação de títulos da dívida soberana emitidos por Damasco também deve ser interrompida.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaSançõesAssad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.