PHILIPPE HUGUEN/AFP
PHILIPPE HUGUEN/AFP

Eurotúnel teme grande fluxo de imigrantes

Empresa que administra viagens entre França e Reino Unido diz que refugiados podem querer atravessar passagem a qualquer custo

O Estado de S. Paulo

27 Junho 2016 | 20h35

CALAIS, FRANÇA - O chefe do Eurotúnel alertou nesta segunda-feira, 27 que a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia (UE) pode levar a um aumento no número de imigrantes que tentam chegar ao território britânico via Calais, na costa francesa.

“Pode haver um aumento de pressão de imigrantes durante o verão e em razão da saída britânica, na medida em que imigrantes irão tentar cruzar a qualquer custo antes da implementação (da saída)”, disse ontem Jacques Gounon. Ele concedeu entrevista coletiva em Calais, principal ponto de entrada e saída entre Reino Unido e França por mar e pela ligação ferroviária do Eurotúnel. 

Um acampamento de imigrantes, que se tornou conhecido como “Selva”, cresceu na região no ano passado, tornando-se lar para milhares de pessoas que buscam seguir para o Reino Unido e provocando problemas no tráfego. 

Posteriormente, um reforço na segurança tornou mais difíceis as tentativas de entrada clandestina em vagões e de caminhadas pelo túnel.

Gounon apresentou medidas extras de segurança, que incluem o uso de dois drones equipados com câmeras, que vão voar pelo terminal de Coquelles, no norte da França.

Respaldo. Em discurso ao Parlamento britânico, em Westminster, o primeiro-ministro demissionário, David Cameron, disse que pretende manter em vigor os acordos com a França que permitem às autoridades migratórias britânicas permanecerem no porto de Calais – principal ponto de chegada de refugiados ao país – após a decisão do país de abandonar a União Europeia. 

“Nós apoiamos a continuidade dos acordos que estabelecemos em Calais e faremos de tudo para convencer os franceses a mantê-lo também”, disse Cameron. O governo francês tem sido particularmente duro na pressão para que a saída do Reino Unido da UE ocorra rapidamente. / REUTERS 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.