Jim Urquhart/Reuters
Jim Urquhart/Reuters

Evento na Área 51 combina interesses por aliens e teorias da conspiração, diz professor

Para o sociólogo e especialista em cultura pop, evento que nasceu sem pretensões no Facebook corre o risco de se tornar uma crise de segurança na área super protegida do governo americano

Entrevista com

Michael Ian Borer, professor da Universidade de Nevada

Renata Tranches, O Estado de S.Paulo

20 de setembro de 2019 | 08h00

Na tentativa de buscar respostas para uma antiga questão que há décadas persegue os americanos, a grande marcha para Área 51, que começou como um evento sem pretensões no Facebook para 'libertar extraterrestres' do local, testará nesta sexta-feira, 20, os limites dessa super protegida área que muitos acreditam abrigar experimentos com alienígenas.

Com falta de respostas e esclarecimentos ao longo dos anos, os entusiastas da vida fora da Terra criaram suas próprias teorias, alimentadas com o alto grau de sigilo do governo americano sobre esse inóspito pedaço de terra em Nevada

A situação ganhou terreno fértil com a internet e com os alimentadores das teorias da conspiração, como explicou o professor Michael Ian Borer, sociólogo e especialista em cultura pop da Universidade de Nevada/Las Vegas.

Para Entender

Ação que pretende 'libertar extraterrestres' da Área 51 já preocupa militares

Cidade vizinha de apenas 54 habitantes se preocupa com 'invasão' de participantes de evento no facebook

Em entrevista ao Estado, ele pondera que há um sério temor de que a situação saia de controle se a multidão realmente decidir comparecer em peso nessa região, cuja principal cidade é Rachel, de apenas 98 habitantes. 

Este mês, depois de dizer que o Invasão da Área 51 seria transformado em um festival de música chamado Alienstock, o estudante universitário da Califórnia Matty Roberts, idealizador do evento, se afastou e disse que ele não seria mais realizado por temer que se transformasse em uma crise de segurança pública.

Sua sócia Connie West, porém, afirmou na quinta-feira que o evento em Rachel estava mantido. "As pessoas querem saber o que o governo está escondendo", disse Borer.   

Como o sr. explicaria todo esse interesse sobre o evento na Área 51? Como ele ficou tão grande? 

O evento na Área 51 provocou o interesse de uma demografia heterogênea e variada. É a mistura perfeita entre aqueles interessados em aliens e encontros de aliens, teorias conspiratórias envolvendo o governo e a atual cultura super rápida da internet. Quando o evento foi originalmente postado no Facebook, muitos reagiram criando memes engraçados. Mas então as pessoas, muitas, milhões delas disseram que estavam interessadas ou que iriam comparecer ao evento. E para dizer isso era só clicar em um botão. Então, sem a venda de ingressos, é difícil determinar exatamente quão grande será esse evento. 

Na sua opinião, por que o tema sobre a Área 51 ainda desperta tanto interesse? 

Por mais de 50 anos, o governo americano negou a existência da Área 51. Agora que nós sabemos sobre ela, as pessoas querem saber o que o governo está escondendo. A quando as pessoas não sabem as coisas, quando há lacunas de informações, elas começam a preencher essas lacunas com novas ideias ou crenças sem se importar sobre quão plausíveis elas são. 

O sr. acredita que realmente a CIA conduziu um projeto secreto na área envolvendo aliens? 

É difícil dizer. Eu acho que há provavelmente algum tipo de exploração extraterrestre, mas eu duvido seriamente que eles estejam mantendo ou fazendo experimentos com aliens. E, novamente, coisas estranhas acontecem. 

O sr. teme que o evento em Nevada possa sair de controle? 

Sim. O medo real não é dos aliens. O medo real é que muitos humanos revolvam invadir a região, que tem uma baixa população e um ambiente natural que, em geral, é inóspito para a maioria dos seres vivos. Sem água suficiente, comida, combustível ou papel higiênico, a situação pode ficar feia muito rapidamente. Há ainda o risco de alguém decidir fazer algo estúpido como chegar perto dos portões (da área de segurança) ou provocar os guardas a agirem contra eles. 

 

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.