Evento político converte-se em típica ''festa americana''

Michelle recebe longos e efusivos aplausos e piloto que conseguiu pousar avião no Rio Hudson é homenageado

NYT E AFP, O Estadao de S.Paulo

25 de fevereiro de 2009 | 00h00

Barack Obama fez sua estreia no tradicional discurso anual no Congresso preparando os americanos para o que chamou de "tempos difíceis", mas imprimindo um tom de otimismo com o qual pretende envolver os americanos. Apresentado pelos líderes da Câmara dos Representantes e do Senado - respectivamente, a democrata Nancy Pelosi e o vice-presidente Joe Biden -, Obama assumiu a palavra cerca de 20 minutos depois de chegar ao local do discurso.Iniciou a apresentação cumprimentando as autoridades do Congresso e fazendo uma saudação especial à sua mulher, a primeira-dama Michelle Obama, provocando intensos aplausos, enquanto as redes de TV que transmitiam o evento mantinham sobre ela suas câmeras.Intensos aplausos interromperam várias vezes a fala do presidente, principalmente nos trechos em que ele ressaltava a vocação dos EUA para a recuperação e a volta por cima.Obama também arrancou risos da plateia ao mencionar o tema educação e convidar os país americanos a incentivar seus filhos à leitura e a "desligar a TV e os videogames".Sintetizando o clima típico de noite de gala americana, celebridades do mundo político e da sociedade americana estavam presentes no Congresso. Em seu caminho até a tribuna antes de dar início ao discurso, Obama parou para dar um abraço e um beijo no rosto da juíza da Corte Suprema Ruth Bader Ginsburg, que retornou ao trabalho esta semana, após uma cirurgia para combater um câncer de pâncreas.Entre os espectadores, estava também o capitão Chesley Sullenberger, elevado à categoria de novo herói americano depois de conseguir fazer um pouso de emergência com um jato comercial no Rio Hudson, em Nova York, às vésperas da posse de Obama.ROSS CONFIRMADOHoras antes do discurso de Obama, a secretária de Estado Hillary Clinton havia confirmado Dennis Ross, ex-negociador do presidente democrata Bill Clinton (1993-2001) no Oriente Médio, como seu conselheiro especial para o Sudeste Asiático e Golfo - região que abrange o problemático Irã.Ross fornecerá a Hillary "análises estratégicas e perspectivas sobre as regiões e também atuará para assegurar uma efetiva política de integração por toda a área", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado, Robert Wood.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.