Eventual triunfo de Lula cria expectativas no Uruguai

As próximas eleições no Brasil, o gigantesco vizinho do Uruguai, fez crescer o entusiasmo da esquerda política local e gerou uma certa preocupação em setores da centro-direita. No Uruguai, para a coalizão de esquerda Frente Ampla, que tem perspectivas de chegar ao poder nas eleições presidenciais de 2004, a possibilidade de vitória de Lula cairia como uma luva. O senador do Partido Nacional (blanco) Francisco Gallinal diz em uma coluna do jornal El Observador que será muito difícil para Lula "esquecer suas raízes populistas", uma tradicional condição da esquerda regional. Gallinal acrescentou que "o duplo papel que desempenha o Brasil em relação aos nossos interesses faz com que nossa atenção se concentre nas conseqüências econômicas e políticas que possam ser desencadeadas pelo resultado das próximas eleições". Por sua vez, o economista Luis Porto, em outra coluna, assinala que a frase "nunca esteve tão próxima" vai continuar sendo ouvida com referência à eventualidade da chegada da esquerda ao governo do Brasil. "De imediato, é o Brasil que impõe a reflexão sobre o que pode mudar na região diante dessa eventualidade. E a primeira referência é o Mercosul, uma zona de livre comércio que a partir de 1995 enfrentou sérias dificuldades para tornar-se uma união aduaneira e que jamais pôde avançar muito em termos de mercado comum nem de união econômica", disse Porto. O economista afirmou que, se Lula "conseguir consolidar os esforços no aspecto macroeconômico que o Brasil vem desenvolvendo desde 1999, então o fluxo de capitais retornará à sua tendência histórica e, se Lula cumprir o prometido, o Mercosul pode ser o palanque de que necessitamos para sair da crise em um processo sustentado de recuperação". De modo contrário, acrescenta, o Uruguai deverá voltar-se para outros horizontes para diversificar a economia. "Em suma, Lula nos coloca perante o risco de tomar a decisão de olhar para outros horizontes, mas também propõe um Mercosul que pode devolver-nos a esperança de um processo de recuperação", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.