Evo acena com autonomia, mas rejeita mudança na votação

O presidente boliviano, Evo Morales, disse nesta quarta-feira concordar com a necessidade de a futura Constituição garantir a aplicação de um regime autônomo nos quatro departamentos (Estados) que votaram por mais independência em relação ao governo central, de La Paz. Mas, ao mesmo tempo, Evo rejeitou a principal reivindicação da oposição - a de que as propostas apresentadas na Assembléia Constituinte sejam aprovadas por maioria de dois terços, e não de 50% mais 1, como defende o partido governista Movimento ao Socialismo (MAS).Embora Evo, que também é o principal dirigente do MAS, acene com uma proposta de conciliação aos líderes dos departamentos (Estados) de Santa Cruz, Tarija, Beni e Pando - que na semana passada promoveram maciças manifestações para exigir autonomia -, suas declarações sobre o sistema de votação da Constituinte condenam ao fracasso uma tentativa de acordo com a oposição.Na véspera, uma comissão mista, composta por cinco deputados do MAS e cinco da oposição, foi formada para apresentar uma proposta alternativa sobre as regras da Constituinte. A proposta deveria ser apresentada hoje à mesa da assembléia, dominada pelos governistas, que decidiria se ela seria ou não levada a plenário.Os opositores argumentam que a regra imposta pelo MAS excluirá os partidos minoritários dos debates sobre a futura Carta - uma vez que o partido de Evo elegeu mais da metade dos 255 deputados constituintes em 2 de julho. O presidente ressaltou, no entanto, que a versão final da nova Constituição será submetida a referendo. "O povo decidirá, com seu voto, se aceita ou não as novas leis", disse.O presidente boliviano defendeu que o sistema de votação aprovado pela Assembléia respeita a lei de sua convocação e sustentou que "continuam existindo os dois terços". Em sua declaração, Morales convocou "os movimentos sociais e as forças da sociedade civil" a chegar a um compromisso. Ao ressaltar que seu governo está disposto a debater para aprofundar a autonomia, lembrou que é a Assembléia Constituinte que deve fixar as atribuições das autoridades departamentais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.