Evo anuncia criação de programa nuclear 'pacífico' na Bolívia

Presidente boliviano diz a congressistas que fará reator atômico com tecnologia de Argentina e França para uso médico

O Estado de S.Paulo/EFE

23 de janeiro de 2014 | 02h02

LA PAZ - O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou ontem que tem a intenção de dar início a um programa nuclear em seu país, com a construção de um reator atômico. Segundo garantiu o líder boliviano, a iniciativa tem fins pacíficos e o desenvolvimento desse setor é parte de uma "prioridade estratégica" do país andino.

Em dezembro, La Paz lançou seu primeiro satélite, que será usado para telecomunicação. O aparelho boliviano foi batizado de Tupac Katari, herói da resistência indígena aos espanhóis.

Evo fez o anúncio diante do Legislativo, durante seu discurso de "prestação de contas" sobre seu governo em 2013. "A Bolívia não pode estar à margem dessa sabedoria, que é patrimônio de toda a humanidade. Por isso, tomamos a decisão de formar o programa nuclear boliviano com fins pacíficos."

O presidente boliviano disse ainda que será criada uma "comissão de alto nível, com os melhores cientistas físico-matemáticos da Bolívia", para desenvolver um reator. Evo afirmou que um orçamento especial será destinado a financiar o projeto e profissionais do país serão enviados ao exterior para obter especializações a respeito do manejo de equipamentos nucleares. O presidente argumentou que a Bolívia quer desenvolver o reator "para aprender e controlar os usos médicos e energéticos" dessa tecnologia.

Nos últimos meses, La Paz vinha ressaltando seu interesse no desenvolvimento de um programa nuclear, defendendo seu direito para isso. Em outubro, Evo afirmou que conta com apoio da Argentina e da França nesse sentido.

O Irã - cujo vice-chanceler para assuntos europeus e americanos, Mayid Ravanchi, afirmou na segunda-feira em La Paz estar "sempre ao lado dos amigos revolucionários da Bolívia", em um encontro com Evo - já ofereceu respaldo para o país latino-americano desenvolver um programa nuclear pacífico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.