Evo atenua o discurso nas regiões opositoras

Evo atenua o discurso nas regiões opositoras

Segundo analistas, trunfo do presidente boliviano na busca do 3º mandato foi retórica menos raivosa e mais pragmática em redutos da oposição

MURILLO FERRARI, ENVIADO ESPECIAL, SANTA CRUZ DE LA SIERRA, O Estado de S.Paulo

09 de outubro de 2014 | 02h05

Há nove anos, quando disputou as eleições que o levariam ao primeiro mandato presidencial na Bolívia, Evo Morales praticamente não tinha partidários no Departamento de Santa Cruz, o mais desenvolvido. Com uma nova abordagem para as regiões opositoras, Evo deve conseguir sua primeira vitória em antigos redutos da oposição nas eleições de domingo.

"Os dois setores tiveram de ceder por uma necessidade mútua - o presidente precisava de Santa Cruz e as classes médias locais, que são o motor econômico da região, precisavam de um bom parceiro", afirmou ao Estado Manfredo Bravo, coordenador do curso de Ciência Política da Universidad Autónoma Gabriel René Moreno, de Santa Cruz. "Isso levou Evo a adotar uma posição pragmática, até mais parecida com o neoliberalismo do que com o socialismo defendido por seu partido Movimento ao Socialismo."

Apesar de não destacar nem fazer publicidade dessa mudança, Evo admite uma nova abordagem em relação a Santa Cruz. "Os tempos agora são outros. Estamos em um momento de integração e desenvolvimento da nossa Bolívia e Santa Cruz será o Departamento que representará essa integração', afirmou o presidente no ato final da campanha, na terça-feira, em Santa Cruz de La Sierra.

Essa nova política para a região só foi possível com uma atenuação do discurso de confronto, feito com base em argumentos raciais, "que foi parte fundamental da ascensão de Evo ao poder, com apoio dos setores populares", afirmou Bravo.

Precisão. Um exemplo da eficiência do pragmatismo praticado por Evo, principalmente durante seu segundo mandato - a partir de 2009 - é o enfraquecimento dos líderes políticos na chamada Meia-Lua boliviana, que foram processados e presos ou se exilaram.

"Houve uma primeira fase de tensão e confronto que foi muito importante para que a atual política, que eu diria ter uma abordagem quase romântica, funcionasse", disse o cientista político Marcelo Silva, da Universidade Maior de San Andrés.

Para o analista, outro triunfo do presidente para chegar aos 59% nas intenções de voto, segundo pesquisas, foi a habilidade em se aproximar de setores-chave. "Por ser bem desenvolvida, Santa Cruz tem a característica de receber muitos bolivianos de outras partes do país. Evo estabeleceu uma conexão com esses setores e criou uma espécie de fortaleza eleitoral."

Ontem, Evo participou ontem de uma partida de futebol beneficente contra ex-jogadores do clube espanhol Real Madrid. O amistoso foi vencido pelo combinado de Evo, que atuou ao lado de ex-jogadores da seleção boliviana, por 4 a 2.

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEvo Morales

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.