Evo diz que EUA 'não têm moral' para falar sobre drogas

Presidente boliviano diz que produção de cocaína nos EUA cresceu muito mais que em seu país em 2007

Agência Estado e Associated Press,

17 de setembro de 2008 | 16h30

O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse nesta quarta-feira, 17, que os Estados Unidos "não têm autoridade moral para falar sobre as drogas". Segundo ele, o governo dos EUA colocou a Bolívia na lista negra dos países que não se esforçaram para combater os tóxicos apenas por motivos políticos.    Veja também: EUA colocam Bolívia em lista negra de combate às drogas Lula critica 'interferência' dos EUA no continente americano Evo disse ainda que os EUA são um dos maiores mercados da cocaína, e que a Colômbia, aliada próxima de Washington, teve um crescimento muito maior que a Bolívia na produção da droga no ano passado.       A Bolívia perdeu a certificação na luta contra as drogas como parte de uma revisão anual feita pelo governo norte-americano, mas o relatório foi divulgado apenas alguns dias após o embaixador dos Estados Unidos no país, Philip Goldberg, ter sido expulso por Evo. Apesar da Bolívia ter sido incluída na lista negra, a ajuda financeira dos EUA ao país para a luta contra as drogas continuará. A cada ano, a Bolívia recebe US$ 55 milhões em subsídios americanos para lutar contra as drogas.  

Tudo o que sabemos sobre:
BolíviaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.