Evo diz que Fidel Castro reassumirá Cuba em 1º de maio

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou que o líder cubano Fidel Castro reassumirá a Presidência de Cuba na terça-feira, 1º de maio, e afirmou ter informações relativas a uma "grande mobilização" que está sendo preparada para a ocasião, em Havana."Tenho certeza de que, em 1º de maio, o companheiro Fidel vai participar da cúpula da Alba, e continuará governando Cuba e a América Latina", disse Evo, segundo publicação do jornal local La Razón neste sábado, 28.O líder fez estas declarações na sexta-feira à noite, após a entrega de terras a comunidades indígenas do departamento de Pando (norte da Bolívia), poucas horas antes de viajar para a Venezuela, onde participará da 1ª Cúpula da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba).A Cúpula começará neste sábado, na cidade de Barquisimeto, 350 quilômetros ao oeste de Caracas, com a participação do anfitrião, Hugo Chávez, e de seus colegas da Bolívia, Evo Morales, e da Nicarágua, Daniel Ortega."Estou quase convencido de que o companheiro Fidel participará da cúpula, para continuar administrando e dirigindo o povo cubano, esse povo revolucionário", disse o presidente boliviano.Apesar de ter afirmado que não conversou pessoalmente nos últimos dias com o líder cubano, Evo disse ter informações relativas a uma "grande mobilização que está sendo preparada em Cuba" para celebrar o retorno de Fidel ao poder.Em meados de março, Evo já havia se aventurado a dizer que Fidel reapareceria neste sábado ou domingo (28 ou 29 de abril), por causa do 3º aniversário da criação da Alba, formada por Cuba, Venezuela, Bolívia e Nicarágua.Fidel, que sofre de uma doença intestinal, delegou a Presidência cubana ao seu irmão Raúl, e não aparece em público desde 26 de julho de 2006.No entanto, as últimas imagens de Fidel, divulgadas na semana passada e tiradas durante uma reunião que o líder cubano manteve com uma delegação chinesa, confirmaram as mensagens de altos funcionários do Governo cubano sobre a recuperação do dirigente do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.