Evo está perto de obter dois terços do Congresso

Evo está perto de obter dois terços do Congresso

Partido do presidente da Bolívia teria 109 parlamentares, 2 a menos do que o necessário para conquistar maioria qualificada no Legislativo, diz TSE

LA PAZ, O Estado de S.Paulo

17 de outubro de 2014 | 02h03

O partido Movimento ao Socialismo (MAS), do presidente reeleito, Evo Morales, está muito perto de conquistar dois terços do novo Congresso da Bolívia. De acordo com os números atualizados da apuração divulgados ontem pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE), o MAS teria 84 dos 130 deputados e 25 dos 36 senadores, totalizando 109 parlamentares, 2 a menos do que o necessário para obter a maioria.

Controlar o Congresso sempre esteve entre os objetivos do MAS na eleição para que, no próximo mandato, o partido e o presidente possam aprovar leis - incluindo reformar a Constituição - sem a necessidade de se aliar a outros políticos. Para analistas, no entanto, a grande vantagem do MAS e a proximidade da maioria dos deputados, além da ampla vantagem dos senadores, devem fazer com que uma eventual negociação ocorra sem grandes dificuldades para os partidários de Evo.

Ainda de acordo com os dados do TSE, a Unidade Democrática (UD), principal partido opositor boliviano, deve ficar com 33 deputados, enquanto o Partido Democrata Cristão (PDC) teria 11. O Partido Verde da Bolívia (PVB) e o Movimento Sem Medo (MSM) teriam um cada. Já no Senado, a UD ficaria com nove representantes e o PDC, com dois.

Ontem, o vice-presidente Álvaro García Linera afirmou, porém, que o MAS aguardará o resultado final do TSE - previsto para ser divulgado apenas em novembro - para tomar alguma decisão ou tentar, caso seja necessário, negociar para controlar o Congresso. "A direita perdeu essa eleição de forma contundente. Eles diziam que não conseguiríamos dois terços. E fracassaram", disse Linera ao jornal La Razón, de La Paz.

Apesar de a apuração geral ter avançado apenas 0,86% de terça-feira para ontem, totalizando 90,94%, ela foi totalmente concluída nos Departamentos de Cochabamba, Chuquisaca e Pando.

Na disputa pela presidência, Evo - que se declarou vencedor após a divulgação de pesquisas de boca de urna no domingo - avançou para 60,06% contra 24,98% de Samuel Doria Medina (UD), 9,41% de Jorge Quiroga (PDC), 2,80% de Juan del Granado (MSM) e 2,72% de Fernando Vargas (PVB).

Bipartidarismo. Em uma entrevista ontem, em Cochabamba, Evo defendeu que os partidos opositores se unam na próxima eleição e lancem uma candidatura única, restringindo a disputa a um candidato do MAS contra uma frente de oposição.

"Que bom seria se houvesse somente dois partidos concorrendo. Esse é o nosso desejo. Assim, haveria mais clareza sobre programas de serviços básicos e políticas sociais", afirmou o presidente. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.