Evo Morales convoca referendo sobre constituição

O presidente da Bolívia, Evo Morales, anunciou ontem à noite um referendo sobre a elaboração de uma nova constituição para o país no dia 7 de dezembro. "É para aprofundar a democracia", declarou o presidente boliviano no palácio do governo, em La Paz, ao anunciar a assinatura do decreto que estabelece a data de votação. O anúncio desencadeou imediatas críticas da oposição.A nova consulta popular - amplamente esperada desde que Morales confirmou seu mandato com dois terços dos votos num referendo revogatório realizado em 10 de agosto - tem como objetivo "consolidar o processo de mudanças", prosseguiu ele.Logo depois do anúncio, autoridades rebeldes a Morales no Estado de Santa Cruz contestaram a legalidade do decreto. "Nós rejeitamos as políticas que o governo quer impor por meio de decreto", acusava um comunicado conjunto de líderes conservadores anti-Morales.Eles observaram que o referendo revogatório também confirmou os mandatos de cinco governadores contrários ao presidente. Os governadores rebeldes têm afirmado que não permitirão a realização de um plebiscito sobre a constituição em seus Estados.O presidente socialista, que em 2006 tornou-se o primeiro indígena a governar a Bolívia, e os governadores conservadores protagonizam uma ferrenha disputa de poder em torno da redistribuição de terras e renda à maioria indígena do país, que em grande parte vive em condições de miséria.Os governadores dos Estados de Santa Cruz, Beni, Tarija e Chuquiasca - todos com maioria populacional de descendência européia e minoria indígena - reivindicam mais controle sobre os recursos das reservas de gás natural existentes em seus territórios.As reservas de gás são consideradas vitais para a Bolívia, o país mais pobre da América do Sul. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.